Irã anuncia medidas recíprocas após sanções dos EUA

Teerã, 3 fev (EFE).- O Irã anunciou nesta sexta-feira que responderá de forma "proporcional e recíproca" às sanções impostas pelos Estados Unidos a seus cidadãos e instituições.

Segundo um comunicado do Ministerio das Relações Exteriores iraniano, serão impostas "restrições legais a um número de indivíduos e entidades envolvidos no financiamento e apoio a grupos extremistas na região", cujos nomes ainda serão divulgados.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, impôs hoje sanções econômicas a 13 pessoas e 12 instituições relacionados com o programa de mísseis balísticos de Teerã.

"O contínuo apoio do Irã ao terrorismo e o desenvolvimento de seu programa de mísseis balísticos representa uma ameaça à região, a nossos aliados no mundo todo e aos Estados Unidos", alegou John Smith, diretor interino do Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Tesouro.

Já o Ministerio das Relações Exteriores iraniano ressaltou que o sistema de mísseis do país "só tem fins defensivos e serve para levar armas convencionais", como havia garantido após o recente teste com um míssil.

A resolução 2231 da ONU proíbe o Irã realizar testes com mísseis com capacidade nuclear. Teerã insistiu que só usará estas armas em "legítima defesa" e que seu programa de mísseis é "um direito inegável da nação iraniana".

A nota do Ministerio das Relações Exteriores também reitera que "qualquer ingerência estrangeira neste assunto é uma violação do direito internacional".

Além disso, a pasta classificou as sanções americanas de "incompatíveis com os compromissos" adotados por este país e "contrárias ao espírito e ao texto da resolução 2231".

Poucas horas antes, o ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohamad Javad Zarif, expressou a "indiferença" de seu país ante as últimas ameaças dos EUA e afirmou que o Irã não vai iniciar uma guerra.

Os comentários do ministro foram feitos em resposta a uma declaração de Trump no Twitter. O presidente americano alertou hoje que o Irã "está brincando com fogo", porque ele não será tão "bondosdo" como seu antecessor no cargo, Barack Obama.

A tensão na relação entre os dois países aumentou desde que Trump ordenou a suspensão, por três meses, da emissão de vistos aos cidadãos do Irã e de outros seis países de maioria muçulmana.

A república islâmica decidiu aplicar uma medida recíproca contra os cidadãos americanos.

Também agravou a situação o teste com mísseis realizado pelo Irã no último domingo, ao qual Washington ameaçou responder.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos