Italiana lança livro sobre "Vatileaks 2" com acusações e documentos da Igreja

Cristina Cabrejas.

Roma, 7 fev (EFE).- A italiana Francesca Chaouqui, condenada a dez meses de prisão no julgamento feito no Vaticano pelo caso "Vatileaks 2", lançou nesta terça-feira um livro no qual ela acusa parte da Cúria Romana de remar contra as reformas do papa e no qual ela divulga documentos sobre as finanças da Igreja.

Em "Nel nome di Pietro" (Em nome de Pedro), ela relata fatos do tempo em que fez parte da COSEA, a comissão criada pelo papa Francisco para estudar as contas da Santa Sé. Ela, que ocupava o cargo de relações públicas, se descreve quase como uma heroína disposta a ajudar Francisco: "Quando seus olhos (os do papa) se posam sobre mim, sinto como uma descarga elétrica e fico hipnotizada. De repente, descubro que por ele eu me jogaria no fogo. E sei que haverá fogo".

E que termina como uma espécie de vítima sacrificada por forças de dentro da Cúria, como o cardeal George Pell, prefeito da secretaria para a Economia do Vaticano. No livro, ela o acusa de ter conseguido um cargo importante para se proteger das investigações na Austrália por ter escondido casos de pedofilia de alguns padres.

"Em Roma, o manto do Vaticano cobre qualquer mancha, mas é preciso um cargo que inclua um passaporte vaticano e Pell está tentando conseguir", garante no livro, de 279 páginas.

Uma figura que é frequentemente citada no texto é o sacerdote espanhol responsável pela COSEA, Lúcio Ángel Vallejo Balda. Ele foi condenado nesse julgamento a 18 meses de prisão e, depois de cumprir mais da metade da pena no Vaticano, recebeu autorização do papa para ter liberdade condicional e foi transferido à Astorga.

Francesca o define como um homem impulsivo e excessivo, que perdeu a cabeça por não ter conseguido um posto de importância na Cúria e vazou os documentos aos dois jornalistas que também foram acusados no processo e depois absolvidos por falta de jurisdição.

Ela também relata a confissão do sacerdote espanhol, em um quarto de hotel em Florença, sobre sua sexualidade, mas o livro não publica as mensagens de Whatsapp lidas durante o processo e nos quais a relações públicas da COSEA chama Balda de "verme", "marica" e ameaça destrui-lo perante a imprensa.

A publicação reúne alguns documentos com dados sobre as contas do Vaticano, que já apareceram nos livros dos dois jornalistas, e a primeira página de um relatório sobre a segurança no Estado, que ela afirma que Balda encarregou aos serviços secretos espanhóis. No suposto documento da inteligência espanhola, sem qualquer tipo de selo e escrito em italiano, os possíveis alvos sensíveis aparecem cobertos por motivos de segurança, conforme indica a nota de rodapé.

Ela também conta sobre as tentativas de suborno de alguém que representava o hospital pediátrico do Vaticano para que as irregularidades na gestão não fossem divulgadas. Além de inclui o relatório sobre os "grupos de poder" e "interesses econômicos" de alguns altos cargos do Vaticano e que, segundo Francesca, Pell interceptou antes de chegar ao papa.

Aos 35 anos, ela ainda relata os "esbarrões" com Francisco nos corredores da Casa de Santa Marta e os terços que ele e ela rezaram sozinhos.

Agora, cabe à Promotoria de Justiça do Vaticano avaliar a publicação dos documentos é um crime. O escritório comunicação do Vaticano já adiantou à Agência Efe que o livro não faz ninguém "perder o sono".

No epílogo, como em um filme de suspense, a autora garante que na Igreja de São Luís dos Franceses, diante de obras do pintor Caravaggio, sua fonte na Secretaria de Estado do Vaticano passa as informações "passando papeizinhos".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos