Pelo menos 60 mil pessoas morreram em prisões sírias desde 2011, segundo ONG

Beirute, 7 fev (EFE).- Pelo menos 60 mil pessoas morreram por torturas e pela privação de comida e remédios em prisões e centros de detenção das autoridades na Síria, segundo a apuração divulgado nesta terça-feira pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos.

O diretor da ONG, Rami Abdul Rahman, explicou à Agência Efe por telefone que este número foi obtido graças à informação proporcionada por fontes dentro dos aparatos de segurança, entre os quais figuram os corpos da Inteligência Aérea e da Segurança de Estado (serviços secretos), e da prisão militar de Saidnaya.

Abdul Rahman destacou que sua organização conseguiu confirmar os nomes de 14.661 mortos através de suas famílias.

Em alguns casos, as autoridades entregaram os corpos dos detidos a seus parentes, enquanto em outros os parentes receberam um certificado de falecimento de seus próximos, precisou a fonte.

Em algumas ocasiões, algumas famílias se inteiraram quando as autoridades as chamaram para que assinassem uma declaração na qual dizia que seus entes queridos tinham sido assassinados por grupos armados opositores.

A organização Anistia Internacional (AI) denunciou em um relatório publicado hoje que o governo sírio desenvolveu de forma extrajudicial uma campanha de enforcamentos coletivos na prisão de Saidnaya, onde pelo menos 13 mil pessoas, a maioria civis que acredita-se que eram opositores, podem ter morrido.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos