Presidente colombiano pede investigação profunda sobre escândalo da Odebrecht

Bogotá, 8 fev (EFE).- O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pediu nesta quarta-feira ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) uma investigação profunda sobre o suposto pagamento de propina da Odebrecht ao coordenador de sua campanha eleitoral em 2014.

"Solicito ao CNE uma investigação a fundo o mais rápido possível para que toda a verdade sobre o caso Odebrecht seja divulgada", escreveu Santos em sua conta no Twitter, no primeiro pronunciamento sobre o caso.

O procurador-geral da Colômbia, Néstor Humberto Martínez, disse hoje que o ex-senador Otto Bula, preso por ter recebido propina da Odebrecht, afirmou que parte do dinheiro - cerca de US$ 1 milhão - foi repassada a Roberto Prieto, coordenador da campanha para a reeleição do presidente Santos em 2014.

No entanto, Martínez explicou que a procuradoria "carece de provas" se o dinheiro efetivamente entrou na campanha de Santos e que a investigação caberá ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

"A Procuradoria carece de competência para identificar se eles violaram ou não as normas sobre financiamento eleitoral", ressaltou o procurador-geral, informando que cópias do processo foram enviadas ao CNE para dar sequência às investigações.

O financiamento ilegal atinge também o adversário de Santos nas eleições presidenciais de 2014, Óscar Iván Zuluaga, candidato pelo Centro Democrático, partido do ex-presidente Álvaro Uribe.

Segundo a revista "Veja", parte dos salários do publicitário Duda Mendonça, que assessorou Zuluaga na campanha, foram pagos pela Odebrecht.

A denúncia causou nos últimos dias um cisma político no partido do ex-presidente Álvaro Uribe. A direção nacional do Centro Democrático pediu o início de uma investigação formal sobre o caso, que, segundo Martínez, foi passada ao CNE por ser a "autoridade competente".

"Temos que permitir que o CNE possa tomar uma decisão e, para isso, ele contará com a cooperação da Procuradoria, não só no caso do suposto financiamento da campanha do presidente Santos, mas também para o caso de Zuluaga", concluiu Martínez.

De acordo com o procurador-geral, testemunhas afirmaram que um dos membros da campanha de Zuluaga era o "canal de comunicação" com a Odebrecht.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos