Alto comando militar sul-sudanês renuncia e acusa governo de "limpeza étnica"

Juba, 13 fev (EFE).- O subchefe de logística do Estado-Maior do Exército do Sudão do Sul, Thomas Cirilo, anunciou nesta segunda-feira sua renúncia ao cargo, e acusou o governo de cometer uma "limpeza étnica" e de violar de forma "premeditada" o acordo de paz assinado em agosto de 2015 com a oposição armada.

Em sua carta de renúncia, Cirilo acusou o presidente sul-sudanês, Salva Kiir, e o chefe de Estado-Maior, Paul Amlong Awan, de entorpecer "sistematicamente" a aplicação do acordo assinado com o ex-vice-presidente Riek Machar.

Cirilo acusou ambos de impor "uma agenda da tribo dinka para realizar políticas de limpeza étnica e de deslocamento de civis a fim de dominar o país".

O agora ex-alto comando disse que Kiir transformou o Exército em uma instituição "tribal" que tem como alvo os outros nacionais que não são da tribo dinka, à qual pertencem o presidente e o chefe de Estado-Maior, e concluiu que é "incapaz de continuar em uma instituição que destrói o país".

O Sudão do Sul está imerso na violência desde que em dezembro de 2013, dois anos após sua independência, Kiir denunciou uma tentativa de golpe de Estado liderado por Machar, da tribo nuer.

Embora ambos tenham alcançado um acordo de paz em agosto de 2015, a tensão voltou a explodir no país em julho e os combates continuaram desde então.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos