Escritórios da Odebrecht em Caracas são alvo de operação de busca e apreensão

Em Caracas (Venezuela)

  • AFP

    Nicolás Maduro e o Parlamento venezuelano pediram investigações sobre o pagamento de propinas realizado pela construtora no país

    Nicolás Maduro e o Parlamento venezuelano pediram investigações sobre o pagamento de propinas realizado pela construtora no país

A Direção-Geral de Contrainteligência Militar da Venezuela realizou uma operação de busca e apreensão nos escritórios da Odebrecht em Caracas, depois de o presidente Nicolás Maduro e o Parlamento terem pedido investigações sobre o pagamento de propinas realizado pela construtora no país.

O Ministério Público da Venezuela informou em comunicado que coordenou a ação com os agentes da contrainteligência. O objetivo da operação era "buscar obter elementos de interesse criminalístico", de acordo com a nota divulgada pelo órgão.

"A investigação visa determinar se as obras para as quais a companhia foi contrata estão afetadas ou não, além de determinar qual seria o destino do dinheiro cancelado pelas mesmas, e para corroborar se alguns funcionários públicos se beneficiaram dessas negociações", indicou o comunicado.

Ontem, a Assembleia Nacional, controlada pela oposição, debateu o pagamento de propina a funcionários do governo venezuelano pela Odebrecht. Após a Justiça ter sido convocada a atuar, os parlamentares convocaram Maryorie Garboza Ceballos, representante legal da construtora no país, a ser ouvida no Congresso.

O deputado de oposição Juan Guaidó afirmou que o envolvimento de funcionários do governo no escândalo é "óbvia" e garantiu que a Assembleia Nacional vai revelar o maior caso de corrupção da história da Venezuela.

"Se a intenção dessa operação (de busca e apreensão) é deter responsáveis deste grave caso, eles contarão com a determinação da Assembleia Nacional", completou o deputado.

No domingo, Maduro expressou apoio ao Ministério Público, que tinha anunciado uma investigação sobre o caso em janeiro, e exigiu "mão firme" contra os eventuais responsáveis pela corrupção.

Em dezembro do ano passado, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos revelou documentos nos quais a Odebrecht admitia ter pagado US$ 788 milhões em propinas em 12 países da América Latina e na África. Na Venezuela, o montante gira em torno de US$ 98 milhões para que a construtora ficasse com contratos de obras públicas.

Alguns dos projetos não foram concluídos, e o governo do país anunciou uma nova injeção de recursos e um plano para terminar os trabalhos com mão de obra local.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos