Israel remove delegação de embaixada no Cairo por motivos de segurança

Jerusalém, 14 fev (EFE).- A Agência de Segurança israelense confirmou nesta terça-feira que o embaixador de Israel no Cairo, David Govrin, e a delegação da missão diplomática foram retirados do país e levados a Israel "por motivos de segurança".

"Por motivos de segurança, o retorno (ao Egito) do pessoal da embaixada do Ministerio das Relações Exteriores está restringido", declarou em comunicado a Agência, em resposta à informação publicada hoje pelo jornal britânico "The Telegraph" sobre a mudança de Govrin a Israel.

A publicação afirma que no final do ano passado a representação diplomática israelense no Egito saiu do país por razões de segurança e atualmente trabalha em Jerusalém.

Na breve nota, o Serviço de Inteligência Interior, também conhecido como Shabak ou Shin Bet, sugere que a delegação não voltará ao Egito a curto prazo.

A embaixada israelense no Cairo permaneceu fechada durante quatro anos após um grande assalto à sede diplomática durante os protestos que aconteciam no país desde 2011, e foi reaberta em 2015.

O Egito foi o primeiro país árabe com o qual Israel assinou um acordo de paz, em 1979 - seguido pela Jordânia, em 1994 -, mas as relações sempre foram comedidas e se deterioraram durante o ano de mandato do presidente islamita Mohammed Mursi, que decidiu retirar seu embaixador.

Com a chegada ao poder do presidente Abdul Fatah Al Sisi, após o golpe de Estado de 2013, se abriu a porta para uma nova etapa de relações diplomáticas na qual foi restituído o posto de embaixador egípcio em Tel Aviv.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Assine e receba em seu e-mail em dois boletins diários, as principais notícias do dia

UOL Cursos Online

Todos os cursos