Represa danificada nos EUA recebe reparo emergencial em meio a risco de chuva

Los Angeles (EUA.), 14 fev (EFE).- Os serviços de emergência na represa de Oroville, situada no norte da Califórnia (Estados Unidos), cujos danos obrigaram o deslocamento de aproximadamente 200 mil pessoas no domingo, continuam contra o relógio no reservatório perante o risco de chuvas ao longo da semana.

O Departamento de Recursos Hídricos da Califórnia (DWR) informou nesta terça-feira que o nível da represa, situada cerca de 250 quilômetros ao nordeste de San Francisco, se situa em 271 metros, quatro a menos que o registrado na noite de domingo.

As autoridades utilizam helicópteros e caminhões para jogar grandes rochas no local, de modo a sustentar a região desgastada pela erosão na represa. Enquanto isso, o desaguamento principal está liberando mais de 2,8 mil metros cúbicos de água por segundo.

As projeções do Serviço Meteorológico Nacional (NWS) indicam possíveis chuvas na região a partir da noite de quarta-feira para quinta-feira, que se estenderiam durante o resto da semana.

Estas chuvas são agora a principal preocupação dos serviços de emergência, que necessitam ganhar espaço no reservatório o mais rápido possível para receber essas chuvas sem risco de transbordar.

Os problemas em Oroville, a represa mais alta dos Estados Unidos com um dique de 230 metros de altura, começaram na semana passada, quando foi encontrado um grande buraco no desaguamento principal. Após a descoberta, a via foi fechada e o canal de derivação auxiliar foi aberto pela primeira vez na história do reservatório.

No entanto, no domingo foi encontrada uma rachadura no canal de derivação auxiliar. Por isso, com a iminente possibilidade de transbordamento, o escritório do xerife do condado de Butte ordenou a evacuação pela "ameaça crível de um dano potencialmente catastrófico" no escoamento de emergência.

O NWS informou que o possível colapso da estrutura deste desaguamento resultaria "uma liberação incontrolada de água do lago Oroville".

Segundo as estimativas da imprensa local, a emergência afetou entre 180 mil e 200 mil pessoas que residem em Oroville, Palermo, Gridley, Thermalito, South Oroville, Oroville Dam, Oroville East e Wyandotte.

Os problemas de Oroville foram agravados pelo inverno muito úmido da Califórnia, estado que sofreu com uma seca nos últimos anos, mas que nas últimas semanas registrou excepcionais chuvas tanto em volume como em frequência.

O governador da Califórnia, Jerry Brown, declarou no domingo o estado de emergência em Oroville, enquanto a Guarda Nacional do estado ativou o alerta e disponibilizou de maneira imediata 23 mil soldados, medida que não era adotada desde os distúrbios de Los Angeles em 1992.

Um grupo de ecologistas alertou em um documento de 2005 sobre a "grande erosão" que poderia atingir o escoamento de emergência de Oroville, como ocorreu nos últimos dias, informou o jornal "Los Angeles Times". Naquela época, as autoridades responderam que a estrutura do reservatório se encontrava em "boas condições".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos