Libano derruba lei que permitia casamento entre estupradores e vítimas

Beirute, 15 fev (EFE).- A comissão parlamentar de Administração e Justiça do Líbano derrubou nesta quarta-feira o artigo 522 do código penal, que permitia, entre outras coisas, que estupradores evitassem ser condenados à prisão ao se casarem com as vítimas.

Em entrevista à imprensa, o deputado e presidente de da comissão, Robert Ghanem, afirmou que o artigo 522 tinha sido "cancelado", respondendo assim às reivindicações da sociedade civil, especialmente das associações de mulheres que protestaram nos últimos meses a favor da derrogação.

"A comissão também emendou os artigos que vão do 503 ao 521, o que permitirá aumentar as penas por estupro de menores de 15 anos. Isso será aplicado a partir de agora", acrescentou Ghanem.

Em dezembro do ano passado, a organização defensora dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) exigiu ao parlamento libanês a retirada deste artigo do código penal, assim como a modificação de outros para penalizar de modo adequado as agressões sexuais e os estupros.

"A lei atual constitui um segundo ataque contra os direitos de uma sobrevivente de estupro em nome da honra, ao prendê-la em um casamento com seu estuprador", afirmou Rotha Beghum, investigadora dos direitos humanos da HRW no Oriente Médio.

No Líbano, da mesma forma que em outros países da região, o estupro é visto como um estigma contra a honra da mulher e sua família, pois muitas eram obrigadas a se casar com o estuprador para preservar a honra, após perder a virgindade antes do casamento, e poder levar uma "vida normal".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos