Polícia da Malásia pede tempo para investigar morte de irmão de Kim Jong-un

Em Bangcoc

  • Shizuo Kambayashi/AP Photo

    Kim Jong-nam

    Kim Jong-nam

A polícia da Malásia pediu nesta sexta-feira (17) tempo para investigar o suposto assassinato de Kim Jong-nam, irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un, ocorrido na última segunda-feira (13) no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, informaram os veículos de imprensa locais.

O diretor do departamento especial da polícia, Mohamad Fuzi Harun, qualificou o caso como complicado e se limitou a dizer que continuam com as investigações, em entrevista à agência Bernama.

O mesmo policial afirmou na véspera "que não se pode descartar nenhuma possibilidade" sobre a autoria do suposto assassinato, enquanto o vice primeiro-ministro do país, Zahid Hamidi, qualificou de "especulação" que o regime norte-coreano esteja por trás da morte.

Duas mulheres, uma indonésia e um vietnamita, permanecem presas como suspeitas do crime, enquanto um malaio, identificado como Muhammad Farid e suposto namorado da indonésia, permanece sob custódia policial para ajudar na investigação.

O subinspetor geral da polícia, Rashid Ibrahim, afirmou que mais prisões devem ser realizadas.

Segundo a imprensa local, as autoridades buscam outros quatro homens que se tinham reunido com as suspeitas antes do crime e que permanecem em paradeiro desconhecido.

Os legistas realizaram na quarta-feira a autópsia do corpo, mas ainda não se revelaram a causa da morte.

O vice primeiro-ministro malaio precisou que os restos mortais de Kim Jong-nam serão entregues às autoridades da Coreia do Norte uma vez que a investigação esteja concluída, mas não determinou a data.

Kim Jong-nam, 45, foi considerado como o melhor posicionado para substituir a seu pai até cair em desgraça com a virada do século, e desde então acredita-se que residia principalmente entre Hong Kong, Macau e Pequim sem ocupar nenhum cargo oficial no regime norte-coreano.

O primogênito do antigo ditador perdeu definitivamente a preferência do pai quando em 2001 foi detido em um aeroporto de Tóquio com um passaporte dominicano falso que pretendia usar para entrar no Japão e supostamente visitar o parque Disneylândia.

Fruto do casamento entre o ditador e a primeira mulher, a atriz Song Hye-rim, Kim Jong-nam atraiu a atenção nos últimos anos com suas críticas contra as políticas do regime norte-coreano e seu sistema de sucessão, expressadas através de sua correspondência com um jornalista japonês, disse uma televisão do mesmo país.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos