Trump diz que se referia a um programa de TV quando falou da Suécia em comício

Em Washington

  • Kevin Lamarque/Reuters

    O presidente dos EUA, Donald Trump, faz comício do aeroporto de Melbourne, na Flórida

    O presidente dos EUA, Donald Trump, faz comício do aeroporto de Melbourne, na Flórida

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, esclareceu neste domingo (19) que quando falou do "que está ocorrendo na Suécia", se referia a uma reportagem da rede FoxNews sobre imigrantes, depois que o país europeu pediu explicações ao líder americano.

"Minha declaração sobre o que está ocorrendo na Suécia era em referência a uma história que foi transmitida pela Fox sobre imigrantes no país", escreveu Trump em sua conta da rede social Twitter, sem mais explicação a respeito.

 


Sua vaga referência "ao que está ocorrendo na Suécia" durante um comício na Flórida no sábado, quando estava falando de refugiados e ataques terroristas na Europa, lhe valeu hoje um pedido oficial de explicações por parte do Ministério das Relações Exteriores sueco, além de uma série de brincadeiras nas redes sociais.

Sarah Sanders, assessora de imprensa da Casa Branca, explicou pouco antes do tuíte do presidente que ele estava se referindo a um programa que havia assistido na noite anterior. 

"Ele estava falando sobre o aumento da criminalidade e incidentes recentes de um modo geral, e não se referindo a um incidente específico", afirmou Sanders. 

Até o esclarecimento de Trump, ninguém sabia ao que o líder se referia, mas alguns veículos de imprensa americanos lançaram hoje a hipótese de que poderia estar falando de um programa transmitido na sexta-feira no canal conservador Fox, que vê frequentemente.

Em um segmento do programa "Tucker Carlson Tonight", foi incluída uma entrevista com o diretor e produtor americano Ami Horowitz, quem relacionou a chegada de imigrantes na Suécia com um aumento do crime ao falar de um documentário que prepara sobre o país europeu.

O programa foi transmitido na noite de sexta-feira, o que explica um dos pontos de confusão das palavras de Trump, que foram entendidas como se algo tivesse ocorrendo na mesma noite na Suécia.

"Vejam o que está ocorrendo na Alemanha. Vejam o que ocorreu na noite passada na Suécia (sic). !Suécia! Quem poderia acreditar? Acolheu um grande número de refugiados. Estão tendo problemas como nunca pensaram que fosse possível", afirmou Trump, segundo a transcrição literal de seu discurso.

E, em seguida, passou a falar de lugares onde houve atentados terroristas, o que fez parecer que falava de um suposto ataque na Suécia, do qual ninguém tinha tido notícia.

"Vejam o que está ocorrendo em Bruxelas. Vejam o que está ocorrendo no mundo todo. Olha Nice. Olha Paris", disse.

Antes do esclarecimento de Trump, o Ministério das Relações Exteriores sueco pediu hoje ao Departamento de Estado dos EUA uma explicação sobre a afirmação.

A embaixada sueca em Washington entrou em contato com o Departamento de Estado americano para esclarecer ao que Trump se referia.

Consultado pela Agência Efe, o Departamento de Estado não quis se pronunciar a respeito porque sua política é "não comentar comunicações diplomáticas privadas".

A frase do presidente americano provocou um grande rebuliço na Suécia e inclusive o ex-primeiro-ministro do país Carl Bildt se manifestou.

"A Suécia? Um ataque terrorista? O que ele fumou?", escreveu Bildt na rede social.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos