Suécia restabelece serviço militar obrigatório sete anos depois

Copenhague, 2 mar (EFE).- O governo sueco anunciou nesta quinta-feira que restabelecerá o serviço militar obrigatório, sete anos após aboli-lo, para atenuar a falta de soldados e apelando à piora da segurança em seu entorno.

A medida, que afeta tanto homens como mulheres, fará com que 13 mil jovens nascidos em 1999 sejam chamados em 1 de julho para alistamento, e após a realização de testes, 4 mil deverão começar em 1º de janeiro a formação militar obrigatória, de 11 meses de duração.

O Ministério da Defesa estima que só 1,5 mil dessas 4 mil vagas corresponderão a recrutas, já que as praças restantes serão cobertas por pessoas que se alistaram de forma voluntária.

"Tivemos problemas para encontrar pessoal para as unidades militares de forma voluntária e é preciso remediar de algum modo. Por isso é necessário reativar o serviço militar", declarou o ministro da Defesa, o social-democrata Peter Hultqvist.

A decisão, que conta com o apoio da maioria da oposição parlamentar, era esperada, após um relatório favorável elaborado pela Defesa, que calcula que a partir de 2023 poderiam ser necessários 8 mil soldados anuais a mais.

A Suécia, país associado à Otan embora não faça parte da Aliança, impulsionou nos últimos dois anos várias medidas para reforçar sua defesa, apelando à piora da segurança na zona pelas tensões com a Rússia.

O parlamento sueco aprovou o aumentou do orçamento em defesa em 5% entre 2016 e 2020 para modernizar armamento, instalar um regimento permanente na ilha báltica de Gotlândia e melhorar a vigilância subaquática, além de permitir que a Otan possa desdobrar tropas neste país nórdico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos