Ex-diretor do FMI seguirá em liberdade, à espera de sentença por fraude

Madri, 3 mar (EFE).- O ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) e antigo ministro da Economia e vice-presidente do governo da Espanha, Rodrigo Rato, seguirá em liberdade sem medidas cautelares após ser condenado por apropriação indevida.

Assim determinou a Audiência Nacional da Espanha, em uma decisão que também afeta Miguel Blesa, ex-presidente do banco Caja Madrid (entidade que depois se transformou em Bankia) e também condenado no mesmo caso.

A Audiência Nacional considerou, em uma sessão realizada nesta sexta-feira, que Rato está "amparado na presunção de inocência".

No que diz respeito a Blesa, o tribunal destacou que não existe risco de destruição de provas nem de reiteração do crime, e lembrou também que seu comportamento e sua conduta durante o julgamento tornam "desnecessária" a adoção de medidas cautelares.

Rato e Blesa foram condenados a quatro e seis anos de prisão, respectivamente, pelo uso de cartões bancários "ocultos" do Caja Madrid, pois ambos presidiram essa entidade.

A sentença foi divulgada no dia 23 de fevereiro e apontava ambos como os principais autores do crime de apropriação indevida ao amparar o uso "particular" dos cartões contra o "fluxo" do Caja Madrid, até com pleno conhecimento de que as despesas "iam em detrimento" do patrimônio da entidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos