Ministro diz que Reino Unido "contra-atacará" se não houver bom acordo com UE

Londres, 5 mar (EFE).- O ministro das Finanças do Reino Unido, Philip Hammond, disse neste domingo que o Reino Unido "contra-atacará" e fará "o que tiver que fazer" se não conseguir o acordo que deseja para sair da União Europeia (UE).

"Se há alguém na União Europeia que pensa que se não alcançarmos um acordo com a UE, se não continuarmos a trabalhar juntos, o Reino Unido ficará como um animal ferido, isso não vai acontecer", afirmou em uma entrevista à "BBC".

"Nós, britânicos, temos um grande espírito de luta e contra-atacaremos. Faremos novos acordos comerciais no mundo todo e montaremos nosso negócio em nível global. Nós nos fortaleceremos e faremos o que tivermos que fazer para assegurar que a economia britânica seja competitiva e que o país tenha um grande e bem-sucedido futuro", acrescentou.

O ministro conservador não detalhou se uma das armas de contra-ataque poderia ser diminuir ao máximo os impostos para atrair empresas, em dura concorrência com a UE, algo que o governo tinha insinuado no passado.

"Não vou fazer conjecturas sobre como o Reino Unido poderia responder a um resultado que não espero", disse à emissora, em alusão a essa possível falta de acordo com Bruxelas.

Hammond lembrou que se trata de "uma negociação" e é preciso tomar posições.

"Esperamos conseguir um amplo acordo de livre-comércio com nossos parceiros europeus, mas eles devem saber que a alternativa não será que o Reino Unido se escorra para um cantinho", comentou.

O Reino Unido endureceu a postura para o início das negociações com Bruxelas, que a primeira-ministra, Theresa May, prevê começar neste mês com a ativação do artigo 50 do Tratado de Lisboa.

O ministro para o "Brexit", David Davis, advertiu na terça-feira passada que os colegas no governo de May devem se preparar para "o improvável cenário de não ser alcançado um acordo mutuamente satisfatório" com a UE.

Na próxima quarta-feira, Hammond apresentará seu primeiro Orçamento do "Brexit" e, segundo a imprensa, pode anunciar uma verba de reserva de 60 bilhões de libras esterlinas para fazer frente à saída do país do bloco comunitário.

Em artigo publicado neste domingo em "The Times", o ministro adverte que não se deve esperar grandes mudanças nos investimentos públicos nessa proposta de Orçamento.

Hammond argumenta que seria "imprudente" se endividar para financiar "um grande aumento da despesa", apesar da crise que atravessam os serviços públicos no Reino Unido, especialmente saúde e assistência social.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos