Malásia confirma que dois cidadãos retidos na Coreia do Norte deixaram o país

Bangcoc, 9 mar (EFE).- Dois dos 11 malaios retidos em Pyongyang por causa da crise diplomática surgida após o assassinato em Kuala Lumpur de Kim Jong-nam deixaram a Coreia do Norte, informaram nesta quinta-feira fontes oficiais.

O primeiro-ministro malaio, Najib Razak, confirmou a saída de dois funcionários dos do Programa Mundial de Alimentos (WFP, em inglês) da ONU, e afirmou que os outros nove -três empregados da embaixada e seis familiares- estão a salvo e seguem com seu trabalho cotidiano.

"Louvado seja Deus. Dois de nossos cidadãos em WFP, Stella Lim e Nyanaprakash Muniandy, puderam deixar Pyongyang e chegaram a Pequim", disse Najib em sua conta no Twitter.

O primeiro-ministro malaio também afirmou em comunicado que o governo norte-coreano garantiu a "segurança" dos outros nove malaios retidos na Coreia do Norte, que têm "liberdade para fazer sua vida diária".

Pyongyang proibiu na terça-feira a saída do país de todos os malaios até que o caso do assassinato de Kim Jong-nam, irmão do líder norte-coreano, Kim Jong-un, tivesse "uma resolução adequada".

A medida foi tomada um dia depois que o embaixador norte-coreano em Kuala Lumpur, Kang Chol, foi expulso da Malásia por ter criticado a investigação sobre o assassinato.

A Malásia, que tinha um acordo recíproco de isenção de vistos com Coreia do Norte, respondeu na mesma terça-feira proibindo a saída de todos os norte-coreanos do país, em uma escalada da tensão que desde ontem as autoridades malaias tentaram diminuir.

Najib, que ontem disse que pretende solucionar a crise de forma amistosa, reiterou que serão mantidos os laços diplomáticos com o regime comunista.

"As relações diplomáticas entre Malásia e Coreia do Norte não serão cortadas já que necessitamos seguir nos comunicando para encontrar uma solução", indicou o primeiro-ministro.

A investigação malásia afirma que Kim Jong-nam morreu em 13 de fevereiro após ser atacado no aeroporto internacional de Kuala Lumpur por duas mulheres que esfregaram em seu rosto uma substância tóxica, em uma ação que a Coreia do Sul atribui a agentes norte-coreanos.

Até o momento, as autoridades malaias detiveram e acusaram por assassinato duas mulheres, uma indonésia e um vietnamita.

Além disso, procuram quatro norte-coreanos que fugiram do país no mesmo dia do crime acusados de planejar a ação e recrutar as duas mulheres, e três norte-coreanos que se encontram refugiados na embaixada da Coreia do Norte em Kuala Lumpur.

Pyongyang, por sua vez, sustenta que a morte foi causada por um ataque cardíaco, e acusou as autoridades malaias de conspirar junto aos Estados Unidos e Coreia do Sul.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos