Primeiro-ministro turco anuncia extensão do "estado de emergência"

Istambul, 9 mar (EFE).- O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, anunciou nesta quinta-feira em Ancara que o governamental partido islamita da Justiça e o Desenvolvimento (AKP) quer prolongar por outros três meses o "estado de emergência", informou o jornal "Habertürk".

O Estado de exceção foi imposto em 20 de julho após o fracassado golpe militar do dia 15 do mesmo mês, e o parlamento turco o prolongou em duas ocasiões, em 11 de outubro e em 3 de janeiro.

O período de "estado de emergência" vigente terminará em 19 de abril, três dias depois do referendo constitucional impulsionado pelo AKP e que pode transformar Turquia em um sistema presidencialista no qual o chefe do Estado ostente todo o poder executivo.

O governo islamita justifica a extensão do "estado de emergência", que lhe atribui mais poderes, reduz ou limita direitos e facilita a tomada de decisões por decreto, porque o país se encontra desde a tentativa de golpe de Estado sob ameaça de várias organizações terroristas.

Os líderes se referem a grupos armados como o Partido de Trabalhadores de Curdistão (PKK) e suas filiais sírias, assim como o Estado Islâmico (EI), e a confraria do clérigo islamita Fethullah Gülen, a quem o governo atribui a tentativa golpista e define como organização terrorista.

Se o parlamento aprovar a prorrogação do Estado de exceção, será aplicada de 20 de abril a 20 de julho.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos