Agressor de Düsseldorf sofre de esquizofrenia paranoide, aponta polícia

Berlim, 10 mar (EFE).- O homem que na quinta-feira atacou com um machado nove pessoas na estação central de Düsseldorf (oeste da Alemanha) chegou ao país como solicitante de asilo desde o Kosovo em 1992, conta com uma permissão de residência por razões humanitárias e sofre de esquizofrenia paranoide, informou nesta sexta-feira a polícia.

Em entrevista coletiva, o presidente da polícia de Düsseldorf, Norbert Wesseler, explicou que há nove pessoas feridas, quatro delas em estado grave, entre elas uma menina de 13 anos.

Todos os feridos, entre os quais há também duas turistas italianas que estavam hospedadas em um hotel perto da estação, estão fora de perigo, afirmou.

O agressor, que ficou gravemente ferido ao saltar desde uma ponte antes de ser detido, vivia na próxima cidade de Wuppertal, onde na noite de ontem seu irmão foi à polícia para informar sobre seu desaparecimento e alertar de tinha comprado um machado porque se sentia ameaçado e perseguido.

O ataque já tinha ocorrido na estação de Düsseldorf, onde o agressor chegou em um trem regional, segundo explicou o responsável da Polícia regional, Dietmar Kneip.

Segundo a reconstrução dos fatos, o homem, logo após descer na plataforma de estação, começou a agredir pelas costas com um machado vários passageiros e, ao tentar voltar a entrar no vagão, o motorista teve os reflexos de fechar as portas, o que evitou uma tragédia maior.

Então, o agressor avançou pela plataforma de estação e entrou no edifício principal da estação, agredindo mais pessoas, durante um total de 5 minutos.

Perante a possibilidade de que se tratasse de um ato terrorista, os diferentes corpos policiais desdobraram todos os soldados disponíveis na estação, que não demoraram a descartar essa possibilidade e determinar também que o homem detido tinha atuado sozinho.

O homem não tinha antecedentes, mas era conhecido pela polícia, que sabia de seus problemas mentais por um incidente registrado em 2015.

Em sua primeira declaração perante os agentes que o detiveram ontem, ele afirmou que tinha certeza que a polícia iria atirar.

As forças de segurança revistaram ontem à noite sua casa em Wuppertal, onde encontraram um certificado médico com o diagnóstico de esquizofrenia paranoide e remédios para essa doença.

A promotoria tem a intenção de acusar o homem de nove tentativas de assassinato e explicou que, dados seus problemas psicológicos, provavelmente ingressará em um hospital prisional após ser julgado. EFE

nl/ff

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos