Carlos, o Chacal, será julgado por atentado cometido em Paris em 1974

Paris, 12 mar (EFE).- O terrorista venezuelano Ilich Ramírez Sánchez, 'Carlos, o Chacal', enfrentará a partir desta segunda-feira um novo julgamento, por um atentado no centro de Paris em setembro de 1974 que deixou dois mortos e dezenas de feridos e que poderia lhe render a terceira condenação à prisão perpétua na França.

Carlos, que tem 67 anos e está preso na França desde 1994, comparecerá até o próximo dia 31 ao Tribunal do Criminal de Paris em um processo para o qual se constituíram em acusação particular 27 pessoas e três associações de vítimas, e no qual estão credenciados cerca de 100 jornalistas.

O Chacal será julgado por quatro acusações, em particular o assassinato de François Benzo e David Grunberg, que foram vitimados pela explosão de uma granada lançada em 15 de setembro de 1974 em Drugstore Publicis, uma galeria comercial do bulevar Saint Germain em Paris. Neste incidente, também ficaram feridas cerca de 40 de pessoas.

A acusação tentou condená-lo durante anos e, inclusive em 1983, o juiz decidiu arquivar o caso pois, embora houvesse indícios de que a ação poderia estar relacionada com atos terroristas "internacionais", não havia provas conclusivas sobre a identidade do autor ou autores.

As coisas mudaram meses depois que Ramírez Sánchez, 'Carlos, o Chacal', foi capturado no Sudão em agosto de 1994 em uma operação do serviço secreto francês, que sua advogada, Isabelle Coutant-Peyre, qualificou de "sequestro" em declarações à Agência Efe.

O dossiê foi reaberto em janeiro de 1995 e, em fevereiro do ano seguinte, o Chacal foi acusado e, desde então, sua defensora vem tentando invalidar as acusações, mas sem sucesso.

Seus argumentos de que os fatos prescreveram e não há provas que identifiquem seu cliente foram sucessivamente descartados até que, em 2016, a Justiça decidiu levá-lo definitivamente a julgamento.

A advogada considerou "um escândalo" que seu cliente seja julgado por fatos que ocorreram há quase 43 anos e nos quais o venezuelano "não está envolvido".

"Fizeram manobras para dizer que não estava prescrito", acrescentou Coutant-Peyre, antes de insistir que não vê nenhum interesse neste processo, no qual o único consolo para ele é que terá uma tribuna pública a sua disposição.

Sobre isso, a advogada adiantou que Carlos não tem a intenção de fazer uma defesa judicial neste episódio, mas que irá apresentar seu discurso político, como já fez no passado quando compareceu em outros tribunais.

A primeira pena perpétua foi ditada em 1997 por ter assassinado dois agentes secretos franceses em Paris e um confidente em 27 de junho de 1975.

Em junho de 2013, a Justiça confirmou em apelação outra condenação à prisão perpétua por quatro atentados cometidos na França em 1982 e 1983, nos quais morreram 11 pessoas e cerca de 200 ficaram feridas. Além disso, foi determinado que Carlos deveria esperar por 18 anos antes de poder solicitar qualquer tipo de benefício penitenciário.

Esses quatro atentados, segundo a acusação, foram uma reação à detenção na capital francesa, em fevereiro de 1982, de dois integrantes de seu grupo: sua companheira, Magdalena Kopp, e Bruno Breget.

O primeiro deles, em 29 de março daquele ano, foi cometido com uma bomba no trem "Capitole" Paris-Toulouse, justo quando terminava o prazo de 30 dias estipulado pelo venezuelano para a libertação de Kopp e Breget.

O segundo aconteceu em Paris, apenas três semanas mais tarde, em 22 de abril, o mesmo dia em que começava o julgamento de Kopp e Breget, com um carro-bomba em frente a um jornal árabe perto da avendia Champs-Elysées.

Os dois últimos se sucederam em apenas alguns minutos, e ocorreram na estação ferroviária de Marselha e em um trem que tinha saído de lá no último dia do ano de 1983.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos