Casa Branca tenta diminuir tom da denúncia de Trump sobre espionagem de Obama

Washington, 13 mar (EFE).- A Casa Branca garantiu nesta segunda-feira que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não se referia necessariamente a "escutas telefônicas" quando acusou seu antecessor, Barack Obama, de vigiar suas comunicações em 2016, numa aparente tentativa de minimizar o tom dessa denúncia.

Durante sua entrevista coletiva, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, falou sobre o tweet que Trump publicou no começo deste mês e no qual acusou Obama de grampear seus telefones na Trump Tower, onde o magnata morava e trabalhava durante a campanha eleitoral do ano passado. Ele afirmou que Trump não necessariamente se referia a um "grampo telefônico" como tal, mas a atividades de "vigilância" em geral.

"O presidente usou a expressão 'grampo telefônico' com aspas para se referir, de forma ampla, à vigilância e outras atividades", indicou Spicer.

Essa explicação vai de encontro ao que o porta-voz disse há uma semana, quando se limitou a indicar que os tweets do presidente sobre Obama ter ordenado grampear os telefones da Trump Tower "falavam por si sós". Trump não forneceu provas sobre a denúncia, mas pediu ao Congresso para investigar a suposta escuta, apesar de o ex-presidente ter negado determinar tais atividades.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos