González diz que constatou "crise de governança mundial" em 2016

São Paulo, 16 mar (EFE).- O ex-presidente do Governo da Espanha Felipe González afirmou nesta quinta-feira, em São Paulo, que constatou no ano passado uma crise de governança em nível mundial, especialmente visível em países como os Estados Unidos, a Inglaterra, o Brasil, a Espanha e a Colômbia.

"Quem diria que em 2016 daria razão todos os dias à crise de governança", afirmou González durante um evento acadêmico realizado na Universidade de São Paulo (USP).

O ex-presidente assumiu no início de 2016 a cátedra ibero-americana "José Bonifácio", com o tema "Crise de governança na democracia representativa", e hoje a entregou à ex-governadora do estado de Tlaxcala e ex-embaixadora do México no Brasil, Beatriz Paredes Rangel.

González reiterou sua preocupação sobre a "crise de governança" e citou alguns exemplos vividos em 2016, como o referendo de paz na Colômbia, o "Brexit" no Reino Unido ou a reforma constitucional proposta pelo ex-primeiro-ministro Matteo Renzi na Itália.

A eleição de Donald Trump nos EUA, disse González, foi o "fechamento" de 2016.

"Há um determinado personagem, que hoje governa os EUA, que não vai respeitar ninguém que não se faça ser respeitado. E, para isso, é preciso ter a casa em ordem", afirmou González.

O ex-presidente também falou sobre as eleições realizadas na Holanda ontem. O primeiro-ministro Mark Rutte, apesar de ter vencido o pleito contra o ultradireitista Geert Wilders, perdeu apoio no parlamento para o adversário.

"O que ganhou (Rutte) ficou com 33 deputados de 150 (no total do parlamento) e nos sentimos aliviados", ironizou.

"Foi um ano muito difícil para o mundo e para o Brasil, concretamente. Nós, espanhóis, passamos 2016 sem governo", afirmou ex-presidente em entrevista à Agência Efe.

Além de González, que governou a Espanha entre 1982 e 1996, a cátedra também teve como titulares a escritora brasileira Nélida Piño, o ex-presidente chileno Ricardo Lagos e o ex-secretário-geral ibero-americano Enrique Iglesias.

Agora ela será assumida por Paredes, que disse que o presidente americano é "irresponsável".

"Trump não é tolo nem burro. Acredito que é irresponsável, mas que tem uma estratégia absolutamente calculada de intimidação através dos veículos de imprensa contemporâneos", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos