"Paciência estratégica" dos EUA com Coreia do Norte terminou, diz Tillerson

Em Seul

  • Lee Jin-man/ Reuters

    O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson (centro) posa para foto no lado sul da fronteira entre as Coreias, em Panmunjom

    O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson (centro) posa para foto no lado sul da fronteira entre as Coreias, em Panmunjom

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, disse nesta sexta-feira (17) em Seul, na Coreia do Sul, que a diplomacia da "paciência estratégica" exercida pelo governo de Barack Obama com Coreia do Norte "terminou" e que a melhor opção para Pyongyang é abandonar seu programa nuclear.

O chefe da diplomacia americana falou em entrevista coletiva à imprensa ao lado de seu colega sul-coreano, Yun Byung-se, e da mesma forma que fez na véspera no Japão, ressaltou que Washington planeja mudar sua política em direção ao regime de Kim Jong-un, mas não deu mais detalhes a respeito.

Tillerson disse apenas que "todas as opções estão sobre a mesa" e senti que o melhor para o futuro da segurança e estabilidade econômica da Coreia do Norte "é abandonar seu programa nuclear e de mísseis e desenvolvimento de qualquer arma de destruição em massa".

Durante seu discurso, o secretário de Estado classificou de "inadequada e problemática" as medidas de boicote econômico da China para a Coreia do Sul pela implementação em seu território do escudo americano THAAD (destinado a interceptar mísseis norte-coreanos mas criticado por Pequim por considerar que compromete sua segurança).

Nesse sentido, voltou a insistir em que o Sistema de Defesa Terminal de Área a Grande Altitude (THAAD, sigla em inglês), cuja instalação na Coreia do Sul começou na semana passada, é uma ferramenta "defensiva".

Além das tensões entre Pequim e Seul por conta do escudo, a visita de Tillerson acontece em um momento de especial tensão na península coreana.

Seul e Washington realizam atualmente em território sul-coreano suas maiores manobras militares em conjunto, depois que Pyongyang, que já respondeu a estes exercícios lançando quatro mísseis balísticos no início do mês passado, efetuasse um número recorde de testes de armamentos em 2016.

Além disso, ainda tem o caso do assassinato, em fevereiro, do irmão mais velho do líder norte-coreano na Malásia, onde Seul acusa abertamente a Coreia do Norte, que nega envolvimento no crime.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos