Inundações deixam 78 mortos no Peru desde dezembro

Lima, 21 mar (EFE).- As inundações que ocorrem desde dezembro no Peru já deixaram 78 mortos, segundo o último relatório oficial divulgado nesta terça-feira pelo Centro de Operações de Emergências Nacional (COEN).

O documento, que compila os danos registrados desde o início da temporada de chuvas, também afirma que 141.149 casas ficaram destruídas. Além disso, 643.216 pessoas foram parcialmente prejudicadas e 101.104 perderam tudo o que tinham.

A maior parte das vítimas se concentra nas regiões nortistas de Piura, Lambayeque, La Libertad e Áncash, enquanto em Lima foram reportados seis mortos, 4.972 afetados, 17.570 desabrigados e 7.153 casas destruídas.

O relatório afirma que o estado de alerta continua perante o possível transbordamento de rios em várias regiões e que foram fechados 23 portos pela maré instável que se apresenta no litoral peruano.

O COEN confirmou que o Ministério da Educação decidiu ampliar até a próxima segunda-feira a suspensão das aulas nas escolas e instituições de ensino superior de Lima Metropolitana.

O Ministério da Saúde descartou a presença de casos de antraz na região Piura, uma das mais impactadas pelas inundações, enquanto representantes do Ministério da Cultura entregaram mantimentos a afetados em Lima e em Chincha, na região de Ica.

O ministro da Produção, Bruno Giuffra, também se reuniu com mais de 50 empresários peruanos para pedir que continuem a ajudar a campanha de ajuda humanitária #UnaSolaFuerza ("uma só força").

Giuffra disse que já foram entregues mais de 227 toneladas de ajuda aos afetados e acrescentou que as empresas, em conjunto, recolheram mais de 500 toneladas de mantimentos, água e roupa, que foram enviadas às regiões mais afetadas por via marítima, devido aos danos nas estradas.

O Ministério das Relações Exteriores lembrou que as embaixadas e os consulados do Peru no mundo abriram contas bancárias para receber doações.

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, viajou nesta terça-feira ao norte do país para supervisionar as zonas afetadas e participar de reuniões com os representantes do Centro de Operações de Emergência Regional (COER) de Trujillo e Piura.

Em Trujillo, garantiu que a prioridade para o governo é reabrir o trânsito pela estrada Pan-Americana Norte, assim como restabelecer a distribuição de água mediante a reabilitação do canal de Chavimochic, que foi bastante danificado.

O governante enfatizou que atender à emergência "não é questão de dinheiro, mas de organização", e insistiu na necessidade de se fazer um trabalho coordenado entre o governo central, as regiões, os municípios e todas as autoridades locais.

Kuczynski declarou que a ajuda da Venezuela para os afetados será "obviamente bem-vinda", apesar de atravessar um conflito diplomático por uma troca de declarações com o colega venezuelano, Nicolás Maduro.

Esta ajuda ocorre uma semana depois que o governo peruano chamou o embaixador em Caracas para conversas devido a recentes declarações de Maduro e de sua chanceler, Delcy Rodríguez, nas quais chamaram Kuczynski de "covarde" e "cachorrinho simpático do império".

A ajuda da Venezuela se somará à já prestada por Colômbia, Equador, Chile e Paraguai, enquanto nas próximas horas também chegarão ao Peru envios de Brasil, Argentina e Uruguai.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos