PUBLICIDADE
Topo

Explosão em depósito de munição obriga 20 mil moradores a deixarem cidade na Ucrânia

Fumaça da explosão em depósito na cidade de Balakleya - Reuters
Fumaça da explosão em depósito na cidade de Balakleya Imagem: Reuters

Em Kiev

23/03/2017 05h54

Um grande incêndio aconteceu na madrugada desta quinta-feira (23), em Balakleya, no leste da Ucrânia, como consequência de uma explosão em um depósito de munição, obrigando 20 mil moradores da região a deixarem suas casas, segundo informações das autoridades.

A explosão, que foi seguida de um incêndio que até o momento não foi controlado, aconteceu por volta das 3h (hora local) e provocou a detonação de vários depósitos com munições de artilharia.

"Segundo dados preliminares, não há vítimas entre a população civil e os militares", disse o ministro da Defesa da Ucrânia, Stepan Poltorak.

O promotor militar do país, Anatoli Matios, escreveu no Facebook que as investigações apontam para sabotagem como causa da explosão.

Ele acrescentou que foi criada uma zona de segurança de 7 quilômetros em torno do local e dois pontos foram designados para as pessoas se refugiarem.

Matios afirmou que nos depósitos existem 138 mil toneladas de explosivos e que o arsenal ocupa uma área de 368 hectares.

"Por causa da possibilidade de aumentar as explosões e devido ao alcance dos projéteis, foi organizada a saída da população", disse o promotor militar.

O Serviço de Emergência do Estado afirmou que, por volta das 7h30 (horário local, 2h30 de Brasília), 16,3 mil moradores de Balakleya e cerca de 3 mil de Verbovka e Yakovenkovo, já tinham deixado suas casas.

Como precaução, as autoridades aéreas do país proibiram temporariamente os voos em um raio de 40 quilômetros do local do incêndio.

O Serviço de Emergência mobilizou 250 bombeiros e agentes do Esquadrão Anti-bombas, assim como 50 viaturas para o local do acidente.

Balakleya, cidade de aproximadamente 30 mil habitantes, se encontra na região de Kharkiv, vizinha de Donetsk e Lugansk, onde parte de seus territórios está sob o controle das milícias separatistas pró-russas.