Argentina aprova uso medicinal da maconha

Buenos Aires, 29 mar (EFE).- O Senado da Argentina aprovou nesta quarta-feira e transformou em lei o projeto que aprova o uso medicinal da maconha no país, um texto que já tinha obtido sinal verde da Câmara dos Deputados em novembro de 2016.

A proposta, que garante a certos pacientes o acesso ao óleo de cannabis, habilitando a importação até que o governo esteja em condições de produzi-lo, foi aprovada por unanimidade pelos 58 senadores argentinos.

Defendido por organizações civis como "Mamá Cultiva", integrada por mães cujos filhos precisam do óleo de cannabis para aliviar os efeitos de suas doenças, o projeto autoriza que a maconha seja produzida por vários órgãos científicos estatais, com fins de pesquisa, mas não permite o cultivo particular.

"Agora temos um marco legal no que é o uso para a pesquisa, tratamento e produção de cannabis medicinal. Não havia nada na Argentina e foi o que nós, como mães e organização, buscamos", declarou à imprensa no Congresso Ana María García, presidente da organização Cannabis Medicinal Argentina (Cameda).

Com esta aprovação, a Argentina se une a outros países latino-americanos como Colômbia, Uruguai e Chile, que já contam com medidas que regulam o uso terapêutico de cannabis.

"Estamos muito contentes. É preciso continuar construindo conhecimento a respeito do que falamos quando falamos em cannabis medicinal", acrescentou García, médica de profissão e mãe de uma jovem de 24 anos que tem epilepsia refratária.

"É preciso entender que isto como uso medicinal já está validado para a dor oncológica, a dor neuropática, a esclerose múltipla... É preciso pensar que há 30% de epilepsias que não responde à medicação", detalhou.

Após uma extensa sessão na qual também foram tratados outros assuntos, os senadores decidiram aprovar a iniciativa sem debate prévio, já que o projeto já havia recebido um extenso tratamento e consenso em comissões legislativas.

Uma vez que o Estado possa produzir a substância, terão prioridade os centros que integram a Agência Nacional de Laboratórios Públicos.

Além disso, a lei, que deverá agora ser regulamentada, autoriza o cultivo de cannabis por parte do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas e do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária com fins de pesquisa e para elaborar a substância destinada aos tratamentos, mas sem habilitar o cultivo próprio para as famílias.

"É o que fomos decidindo entre todos em princípio. Com 50 anos de proibição é uma lei de começo, depois vamos construir tudo", ressaltou a presidente da Cameda, que lembrou que, apesar de várias províncias já contarem com legislação na matéria, esta é a primeira vez que se aprova uma norma assim em âmbito nacional.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos