Líder do Parlamento diz que é preciso "se rebelar" contra Maduro e Justiça

Em Caracas

  • Boris Vergara/Xinhua

    O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Julio Borges, dá entrevista em Caracas

    O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Julio Borges, dá entrevista em Caracas

O presidente do Parlamento da Venezuela, o opositor Julio Borges, pediu neste domingo (2) que o país "se rebele" contra o governo de Nicolás Maduro e o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), os quais acusa de estarem "violando" a Constituição.

"A mensagem é que é preciso se rebelar contra a injustiça, é necessário se rebelar contra um governo e um tribunal que estão violando a Constituição", disse Borges em entrevista ao canal privado "Televen".

Na entrevista, gravada um dia depois que o Poder Judiciário assumiu as funções do Legislativo e um dia antes que o máximo tribunal decidiu suprimir a medida, o parlamentar considerou que os magistrados que tomaram a decisão estão cometendo crimes "contra a humanidade".

"Estão indo contra os direitos humanos dos venezuelanos e vocês sabem que esses crimes não prescrevem. Hoje, se sentem poderosos, mas amanhã, depois de amanhã, ou depois a justiça na Venezuela ou no mundo irá contra os que atentaram contra os direitos dos venezuelanos", comentou.

O TSJ venezuelano informou no sábado através de um comunicado que suprimia algumas partes de duas polêmicas sentenças que tinha emitido na quarta-feira passada, o que deixou sem efeito a decisão de assumir as competências do parlamento e de delimitar a imunidade parlamentar, enquanto também suprimiu a ordem a Maduro de evitar "um Estado de comoção".

Essa reviravolta ocorreu depois que o Conselho de Defesa da Nação, uma instância de consulta do chefe de Estado venezuelano, se reuniu a pedido de Maduro e solicitou que o TSJ revisasse as sentenças.

A decisão do Supremo venezuelano de assumir as competências da Assembleia Nacional originou uma forte reação na oposição venezuelana e em todo o continente.

O chefe do parlamento venezuelano afirmou que "o país pede uma mudança democrática já" porque "o governo tem que entender que a Venezuela quer eleições".
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos