Ahamdinejad oferece apoio à candidatura de Hamid Baqai à presidência do Irã

Teerã, 5 abr (EFE).- O ex-presidente do Irã, o conservador Mahmoud Ahmadinejad, manifestou abertamente seu apoio nesta quarta-feira à candidatura presidencial de Hamid Baqai, que foi duas vezes seu vice-presidente.

Em uma grande entrevista coletiva em Teerã, Ahmadinejad opinou que Baqaí é "o candidato mais apto" para ser escolhido presidente nas eleições de 19 de maio, à qual também se apresentará o atual líder, o moderado Hassan Rohani.

Baqai ficou sentado durante todo o evento ao lado de Ahmadinejad, que, inclusive, pegou suas mãos quando defendeu sua candidatura e sua gestão como vice-presidente.

Em recente entrevista para a Agência Efe, Ahmadinejad previu que se Baqai, um de seus homens de confiança, se apresentasse às eleições, ele provavelmente seria eleito presidente.

Ahmadinejad, que não se considera principalista, conservador ou reformista, indicou que tanto ele como Baqai buscam uma reforma no comando do país e mudanças para uma melhor divisão de poderes.

"Ninguém vê este sistema que agora está orientando o país e esta divisão de poderes (...) seja algo completo, caído do céu. Não, os seres humanos o construíram e ele tem pontos fracos", afirmou o ex-presidente.

Alguns jornalistas criticaram sua mão dura e sua gestão do país durante seus mandatos como presidente, entre 2005 e 2013.

Ahmadinejad se defendeu alegando que "para ser um ditador, é necessário ter o controle do exército nas mãos. Um simples professor não tem nada em suas mãos para que possa ser chamado de ditador", insistiu o ex-presidente.

Ahmadinejad também garantiu que o Ministério de Inteligência não esteve sob seu controle e que ele não deseja a existência de presos em prisão domiciliar, em alusão a Mir Hossein Musavi e Mehdi Karrubi, nem personalidades cuja imagem esteja proibida, como o ex-presidente Mohamad Khatami.

Musavi e Karrubi lideraram os protestos reformistas de 2009 contra a reeleição de Ahmadinejad, que terminaram com dezenas de mortos e milhares de detidos.

Sobre as acusações de corrupção, o ex-presidente disse que são "uma difamação" e que ele não pode ser responsabilizado pela falta de dinheiro no Banco Central porque, ao fim de seu segundo mandato, perdeu as prerrogativas que tinha sobre esta instituição.

Baqai se apresenta como um dos candidatos mais fortes para disputar a presidência com Rohani, que espera conseguir a reeleiição, mas deve convencer muitos indecisos que suas medidas de abertura e o acordo nuclear beneficiaram o Irã.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos