EUA preparam sanções econômicas contra a Síria por ataque químico

Miami (EUA), 7 abr (EFE).- O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steve Mnuchin, anunciou nesta sexta-feira que o país prepara sanções contra a Síria após o ataque com armas químicas de terça-feira, aos quais o governo americano respondeu com um ataque com mísseis.

"Vamos anunciar sanções adicionais sobre a Síria como parte de nossos esforços contínuos para conter este tipo de ação", afirmou o secretário do Tesouro em um breve encontro com a imprensa em West Palm Beach, na Flórida, onde o presidente americano, Donald Trump, se reuniu com o líder chinês, Xi Jinping.

Mnuchin não deu detalhes sobre que tipo de sanções serão anunciadas, mas garantiu que continuarão a afetar a capacidade do regime do líder sírio, Bashar al Assad, de realizar negócios e transações no exterior.

O secretário do Tesouro explicou que as sanções são um instrumento muito útil para pressionar o regime de Damasco e responder ao ataque químico de terça-feira na cidade síria de Khan Seikhoun, onde morreram mais de 80 pessoas.

Na quinta-feira, Trump autorizou um ataque com mísseis contra uma base aérea na Síria na qual supostamente se originou o ataque aéreo com armas químicas.

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, reconheceu nesta sexta-feira que a pista de aterrissagem da base aérea de Shayrat ainda está operacional porque não era um alvo. No entanto, revelou que o bombardeio acabou com 20% dos aviões militares sírios mobilizados nessa base, da qual também operam unidades russas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos