Mais de 200 mil crianças da Ucrânia oriental precisam de ajuda psicossocial

Genebra, 7 abr (EFE).- Mais de 200 mil crianças que vivem nas zonas da Ucrânia oriental imensas há três anos em um conflito separatista requerem ajuda psicossocial urgente para superar o trauma de viver sob constante ameaça de violência, denunciou nesta sexta-feira o Unicef.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância, uma de cada quatro crianças que residem nas regiões de Donetsk e Lugansk, vivem a menos de 15 quilômetros da denominada "linha de contato" que separa as zonas sob controle do governo de Kiev das que estão em mãos dos grupos separatistas pró-Rússia.

Estes menores vivem com "medo crônico", na "incerteza constante" de bombardeios e ataques diversos.

Esta situação faz com que as crianças padeçam de extrema ansiedade, disfunção do esfíncter, pesadelos, e comportamento agressivo, entre outros.

Os sintomas descritos se repetem de ambos os lados da frente, embora com especial gravidade nas zonas pró-russas, nas quais calcula-se que residem 80 mil crianças, segundo afirmou em entrevista coletiva a representante do Unicef na Ucrânia Giovanna Barberis.

Estes transtornos necessitam de um atendimento psicológico adequado e urgente, mas os profissionais disponíveis (professores, psicólogos, pediatras, etc) não contam com recursos e nem capacidade suficiente.

É por isso que o Unicef solicita US$ 31 milhões para atender às famílias afetadas pelo conflito, dos quais, 5,5 milhões querem dedicação à proteção de serviços e apoio psicológico.

"Existe o risco de perder a toda uma geração de crianças se não recebem ajuda urgente", concluiu a representante do Unicef no terreno.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos