ONU denuncia "mais violência" na Síria após ataque dos EUA

Nações Unidas, 12 abr (EFE).- A ONU denunciou nesta quarta-feira que após o ataque dos Estados Unidos contra a Síria na semana passada houve "mais lutas e violência" no país, com novas denúncias de armas proibidas que castigaram zonas habitadas pela população civil.

"É hora para pensar com clareza", afirmou o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, ao apresentar hoje um relatório perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas com um panorama da situação política no conflito do país.

Na última quinta-feira, os EUA lançaram 59 mísseis Tomahawk contra a base aérea síria de Shayrat em represália ao regime de Bashar al Assad, após denúncias sobre o uso de armas químicas, dois dias antes, na localidade de Khan Sheikhoun.

"Desde então vimos mais luta e violência, com novas denúncias do uso de bombas de fragmentação e de barril em zonas habitadas, incluindo os arredores de Khan Sheikhoun", disse De Mistura, em alusão a armas proibidas pela legislação internacional.

De Mistura disse que as ações armadas na Síria acontecem em meio a um "frágil" processo de diálogo político conduzido em Genebra, onde foram realizadas cinco rondas de consultas para buscar uma solução política à guerra no país.

O representante da ONU insistiu que somente uma solução política pode pôr fim a essa guerra, "e não uma solução militar, apesar dos que tentam fazer acreditar" que há essa possibilidade.

A guerra na Síria, que causou mais de 300 mil mortos e gerou milhões de deslocados e refugiados, explodiu em 2011 primeiro como um movimento político de oposição à Assad e posteriormente com um levante armado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos