Governo Trump dá ultimato a cidades que protegem imigrantes ilegais

  • Christopher Lee/The New York Times

    25.jan.2017 - Manifestantes protestam na Washington Square Park, em Nova York, contra ordem executiva do presidente Donald Trump que retira financiamento às chamadas cidades-santuário

    25.jan.2017 - Manifestantes protestam na Washington Square Park, em Nova York, contra ordem executiva do presidente Donald Trump que retira financiamento às chamadas cidades-santuário

Washington, 21 abr (EFE).- O Departamento de Justiça dos Estados Unidos deu nesta sexta-feira um passo a mais em sua campanha contra as chamadas "cidades-santuário", ao exigir provas a nove jurisdições do país de que estão dando informação ao governo federal sobre os imigrantes sem documentos em seu território, sob a pena de deixar de receber fundos.

O ultimato afeta todo o estado da Califórnia e as cidades de Nova York, Chicago, Filadélfia e Nova Orleans; além dos condados de Miami-Dade (Flórida), Clark (onde se encontra Las Vegas, em Nevada), Cook (Illinois), e Milwaukee (Wisconsin).

Os prefeitos e responsáveis dessas jurisdições receberam hoje cartas do Departamento de Justiça nas quais são exigidos a "entregar documentação" antes de 30 de junho que demonstre que estão cooperando com as autoridades federais no que se refere aos imigrantes sem documentos.

O Departamento de Justiça considera essas jurisdições parte das chamadas "cidades-santuário", aquelas que se negam a colaborar com as autoridades federais para deportar os indocumentados e os imigrantes que cometeram algum crime.

O presidente americano, Donald Trump, ordenou em sua primeira semana no poder que se deixasse de outorgar subvenções federais a esses territórios do país, a não ser que começassem a cooperar com as autoridades de imigração.

As nove jurisdições contatadas hoje foram identificadas pelo inspetor-geral do Departamento de Justiça como lugares que limitam a informação que sua polícia local pode proporcionar às autoridades migratórias federais sobre aqueles que estão em sua custódia, segundo explicou essa agência em um comunicado.

"Além disso, muitas destas jurisdições estão afundando-se sob o peso da imigração ilegal e do crime violento", destacou o comunicado.

As cartas pedem a esses territórios que certifiquem seu cumprimento com uma lei federal que estabelece que os governos estaduais e locais não podem proibir suas forças de segurança de compartilhar informação sobre o status migratório de uma pessoa com as autoridades federais.

"O não cumprimento dessa condição poderia resultar na retenção dos fundos de uma subvenção, suspensão ou cancelamento de uma subvenção, não admissibilidade para futuras subvenções ou outras ações", escreveu nas cartas Alan Hanson, um funcionário do Departamento de Justiça.

Apesar das ameaças do governo, muitos prefeitos das "cidades-santuário", como os de Nova York e Chicago, asseguraram que seus polícias continuarão proibidos de perguntar sobre o status migratório das pessoas ou de colaborar com as autoridades migratórias federais na detenção de imigrantes sem documentos.

Em seu comunicado, o Departamento de Justiça destacou o aumento de assassinatos em Chicago e Nova York, uma tendência que o governo Trump relaciona sistematicamente com a presença de imigrantes sem documentos.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos