EUA impõem novas sanções contra especialistas químicos do Governo sírio

Washington, 24 abr (EFE).- Os Estados Unidos impuseram nesta segunda-feira novas sanções contra 271 indivíduos empregados do governo sírio, supostamente vinculados com a criação e desenvolvimento do programas de armas químicas do regime de Bashar Al-Assad, informou o Departamento do Tesouro.

"Estas sanções de grande envergadura apontam para o centro de apoio científico que permitiu o horrível ataque de armas químicas de Bashar Al-Assad contra homens civis inocentes, mulheres e crianças", disse o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, em um comunicado.

"Os Estados Unidos enviam assim uma forte mensagem com esta ação de que faremos todos os membros do regime de Assad pagarem por estas flagrantes violações de direitos humanos, a fim de dissuadir a propagação deste tipo de armas químicas bárbaras", acrescentou Mnuchin.

O Departamento do Escritório de Controle de Bens Estrangeiros dos Estados Unidos (OFAC) tomou esta medida "em resposta ao ataque de gás sarín" que aconteceu no começo do mês "contra civis inocentes" em Khan Sheikhun, ao norte do país, e no qual morreram cerca de 80 pessoas.

"A OFAC designa 271 empregados do Centro de Investigação e Estudos Científicos da Síria (SSRC), a agência governamental síria responsável por desenvolver e produzir armas não-convencionais", explicou o Tesouro.

"Estes 271 empregados do SSRC têm experiência em química e disciplinas relacionadas e trabalharam em apoio ao programa de armas químicas desde pelo menos 2012", acrescentou.

Em uma ligação telefônica com jornalistas, altos funcionários do governo americano detalharam que trata-se de "uma das maiores ações" em matéria de sanções econômicas contra o Governo sírio emitida por Washington, e sublinharam que os indivíduos punidos hoje são o dobro do número de funcionários sírios afetados por sanções até o momento.

"Acreditamos que houve mais de um ataque químico e que está em ativo seu programa de armas químicas", disse um dos altos funcionários do Tesouro, sob anonimato, que insistiu que não obstante ainda é preciso esclarecer se as armas químicas usadas no começo de mês eram antigas ou de nova produção.

Estas sanções bloquearão qualquer ativo financeiro dos 271 indivíduos punidos, bem como lhes proíbe de interagir de alguma maneira com o sistema americano e viajar ao país.

O Governo de Donald Trump respondeu de maneira unilateral ao ataque químico bombardeando uma das bases aéreas do Governo sírio com quase 60 mísseis de cruzeiro, perante a falta de consenso no Conselho de Segurança das Nações Unidas para encontrar uma resposta ao ocorrido.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos