ONU pede ao Iêmen o fim das hostilidades e diálogo em busca de paz

Genebra, 25 abr (EFE).- O secretário-geral da ONU, o português António Guterres, pediu nesta terça-feira às partes em conflito no Iêmen que se envolvam nas conversações de paz para acabar com as hostilidades no país e alcançar uma solução política para uma guerra que já dura dois anos.

"Peço às partes em conflito que se envolvam nas negociações de paz facilitadas por meu enviado especial para o Iêmen, Ismail Uld Sheikh Ahmed", indicou Guterres.

Além disso, o secretário-geral pediu que as partes "facilitem rapidamente, e sem entraves, a passagem de ajuda humanitária por ar, mar e terra", ao abrir a conferência de doadores para esse país.

O Iêmen está imerso na "maior crise humanitária no mundo e enfrenta o risco muito real de fome", advertiu o coordenador humanitário da ONU, Stephen O'Brien.

"Esperamos que, ao atender às necessidades urgentes dos iemenitas, será criado também o espaço necessário para que os iemenitas e as partes enfrentadas se sentem à mesa e ponham fim a esta terrível guerra", acrescentou O'Brien.

O pedido de Guterres foi apoiado pela ministra de Assuntos Exteriores de Suécia, Margot Wallström, e pelo chefe da diplomacia da Suíça, Didier Burkhalter, que organizam junto à ONU o encontro para arrecadar pelo menos US$ 2,1 bilhões, o montante solicitado pela organização multilateral para 2017, mas do qual, até agora, só foi obtido 15%.

O Iêmen é cenário de um conflito entre os rebeldes houthis e seus aliados e as forças leais ao presidente Abdo Rabu Mansur Hadi, que conta com o apoio da coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita.

Esta aliança árabe impôs em março de 2015 um bloqueio aéreo e naval ao Iêmen que restringe a entrada de bens comerciais e humanitários e paralisa o país.

Guterres pediu ação à comunidade internacional com "solidariedade e generosidade" para ajudar o Iêmen.

"A necessidade de ajuda humanitária e da proteção de civis é maior do que nunca" nesse país, disse o secretário-geral, pois quase dois terços da população - cerca de 19 milhões de pessoas - necessitam de assistência de emergência e aproximadamente 17 milhões não têm alimentação garantida.

Guterres explicou que sete das 22 províncias do Iêmen enfrentam uma "emergência alimentar grave", e as crianças são as pessoas mais vulneráveis.

"Em média, a cada dez minutos uma criança menor de cinco anos morre no Iêmen por causas que poderiam ser evitadas", opinou o diplomata português.

"A guerra devastou a economia, destruído os serviços de saúde e obrigou 3 milhões de pessoas a deixarem seus lares", comentou Guterres, que também indicou que quase 300 instalações de saúde foram danificadas ou destruídas e que a taxa da mortalidade materna é a mais alta na região.

"Mais de 1 milhão de mulheres grávidas sofrem com problemas de nutrição", destacou Guterres.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos