Síria registra 2.786 mortos em abril, uma leve queda em relação à março

Cairo, 1 mai (EFE).- Ao menos 2.786 pessoas morreram por consequência da violência na Síria durante o mês de abril, um número ligeiramente inferior ao de março, quando foram registradas 2.826 mortes, segundo a recontagem publicada nesta segunda-feira pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Entre esses mortos, pelo menos 938 eram civis, entre os quais há 291 crianças e 151 mulheres.

Quase metade dos civis - 453 - morreram por bombardeios de aviões russos e sírios em distintas partes do país.

Outras causas de morte de cidadãos na Síria foram os disparos de facções islâmicas, fogo da guarda fronteiriça turca, explosões de artefatos e minas, bombardeios da coalizão internacional e ataques das Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada por milícias curdas, entre outras.

Além disso, pelo menos 449 combatentes sírios de grupos rebeldes e islâmicos e das FSD morreram durante o mês de abril; bem como 833 milicianos, a maioria estrangeira, de organizações extremistas como o Estado Islâmico (EI), a Organização pela Libertação do Levante - o antigo braço sírio da Al Qaeda - e o Exército Islâmico do Turquestão.

Já entre as forças que lutam ao lado do governo sírio, pelo menos 215 efetivos do exército regular morreram, além de 308 guerrilheiros sírios das Forças de Defesa Nacional e de outras milícias leais ao presidente Bashar al Assad. Entre eles, cinco combatentes do grupo xiita libanês Hezbollah e 23 milicianos xiitas de outras nacionalidades.

A essas vítimas mortais se somam 15 pessoas, cuja identidade não foi determinada.

A Síria é desde março de 2011 cenário de um conflito interno que já deixou mais de 321 mil mortos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos