Ainda temendo abstenções, Macron parte como favorito em eleições na França

Enrique Rubio.

Paris, 6 mai (EFE).- Mais de 45 milhões de franceses foram convocados a irem às urnas neste domingo para escolher entre dois modelos irreconciliáveis de país em uma eleição que tem como favorito o centrista Emmanuel Macron, mas cujo resultado depende do nível de participação da população.

Se cerca de 80% dos eleitores exercerem seu direito a voto como ocorreu no primeiro turno, as pesquisas preveem uma vitória folgada de Macron, com mais de 20 pontos percentuais de vantagem sobre a líder da extrema direita Marine Le Pen.

O que ocorreria com um alto índice de abstenção é uma incógnita, já que o fenômeno pode ser acompanhado de um aumento exponencial no voto em branco, algo que ocorre pela grande rejeição a ambos os candidatos em alguns setores da sociedade francesa.

A campanha mais ofensiva dos últimos anos ganhou um novo capítulo na noite de sexta-feira, quando milhares de documentos internos do movimento "En Marche", fundado por Macron, foram roubados por hackers e divulgados nas redes sociais.

As regras eleitorais não permitem que os candidatos falem publicamente na véspera do pleito, o que evitou que Le Pen explorasse politicamente o vazamento dos documentos.

A única reação da Frente Nacional (FN) foi expressada pelo vice-presidente do partido, Florian Philippot, minutos antes das 0h de hoje, quando entrava em vigor a "lei do silêncio". Em um tweet, ele escreveu: "Ensinarão os #MacronLeaks coisas que o jornalismo investigativo escondeu deliberadamente?"

O "En Marche" denunciou que os arquivos hackeados - e-mails, documentos contábeis e contratos - foram obtidos há várias semanas graças à invasão de contas de e-mail pessoas e profissionais de representantes da campanha de Macron.

Segundo o movimento fundado pelo ex-ministro da Economia, os autores do ataque incluíram documentos falsos junto aos autênticos para "semear a dúvida e a desinformação".

Para a campanha de Macron, o ataque foi uma "tentativa de desestabilizar as eleições presidenciais", assim como tinha ocorrido nos Estados Unidos no pleito vencido por Donald Trump.

No último dia 26 de abril, o "En Marche" confirmou que tinha sido alvo de pelo menos cinco ciberataques realizados por profissionais e atribuídos ao mesmo grupo de hackers russos, o Pawn Storm, que foi acusado de ter roubado e-mails da campanha da candidata democrata nas eleições americanas, Hillary Clinton.

Em uma reação fulminante, a Comissão Nacional de Controle da Campanha Presidencial na França lembrou todos os cidadãos, e especialmente os veículos de comunicação, que a difusão de documentos roubados pode ser alvo de ações penais.

O ainda presidente François Hollande afirmou que o ataque cibernético não ficará sem resposta. Ele também admitiu que existia o risco de que uma ação semelhante ocorresse. "Isso já ocorreu em outros lugares", afirmou.

A votação, que começou hoje nos territórios franceses ultramar e nos consulados no continente americano, terá segurança reforçada, assim como já tinha ocorrido no primeiro turno.

Mais de 50 mil policiais estarão nas ruas, apoiados por 7 mil militares mobilizados na Operação Sentinelle de combate ao terrorismo no país.

O ataque realizado por um jihadista no último de 20 de abril em Paris, no qual morreu um policial, e a prisão ontem de um radicalizado que pretendia organizar um atentado em uma base militar na Normandia mantêm as forças de segurança em estado de alerta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos