Paquistão e Afeganistão iniciam estudo conjunto da fronteira após confrontos

Islamabad, 8 mai (EFE).- O Paquistão e o Afeganistão começaram um estudo cartográfico da fronteira conjunta após os confrontos que deixaram mortos e feridos na última sexta-feira.

Uma fonte de segurança paquistanesa confirmou à Agência Efe o início dos trabalhos para determinar os limites da fronteira em dois povos em conflito no distrito de Chaman, no sudoeste do Paquistão. O governo do Afeganistão nega publicamente o acordo.

O pacto para revisar a fronteira, segundo a fonte consultada pela Efe, foi firmado em uma reunião de comandantes das partes em envolvidas na passagem de Chaman, uma das mais importantes entre os dois países, depois de vários dias de tensões.

Pela rede social Twitter, o diretor do Centro Governamental de Informação e Imprensa do Afeganistão, Sediq Sediqqi, negou qualquer tipo de acordo com o país vizinho.

Segundo o Paquistão, dez pessoas morreram e 42 ficaram feridas na sexta-feira pelas tropas afegãs perto da passagem de Chaman. Posteriormente, em um contra-ataque, os paquistaneses mataram 50 soldados do Afeganistão.

O governo afegão negou a morte de 50 pessoas e só reconheceu quatro baixas - dois membros das forças de segurança e dois civis.

Os confrontos começaram após um suposto ataque contra uma equipe paquistanesa que fazia um censo na região da fronteira.

As autoridades do Afeganistão questionam o traçado dos 2.500 quilômetros da fronteira que separa os dois países, a chamada Linha Durand, estabelecida entre afegãos e britânicos no século XIX, e que começou a ser cercada pelo Paquistão em algumas áreas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos