Moon encerra domínio conservador na Coreia do Sul após escândalo "Rasputina"

Andrés Sánchez Braun.

Seul, 10 mai (EFE).- O liberal Moon Jae-in venceu as eleições na Coreia do Sul e será o novo presidente do país, colocando fim a um período de uma década de governos conservadores após o escândalo de corrupção conhecido como "Rasputina", que causou o impeachment de sua antecessora.

Moon assumirá o cargo praticamente de imediato, em vez de ter que esperar os dois meses de transição que são uma tradição no país, algo que acontecerá pela primeira vez desde que a Coreia do Sul voltou a realizar eleições democráticas em 1987, já que à frente do país há um governo interino há cinco meses.

O presidente provisório, Hwang Kyo-ahn, anunciará amanhã sua renúncia a um cargo que ocupou desde 9 de dezembro, quando o Parlamento destituiu a ex-presidente conservadora Park Geun-hye, uma decisão que depois foi ratificada pelo Tribunal Constitucional em março, forçando o adiantamento de eleições.

A participação de Park, agora presa de maneira preventiva, no escândalo de corrupção condicionou por completo estas eleições, que registraram a maior participação popular em duas décadas (77,2%). Esta foi a prova da indignação gerada por um caso que veio à tona há pouco mais de seis meses e levou milhões de sul-coreanos às ruas no ano passado para pedir a saída da então presidente.

A filha do ditador Park Chung-hee é acusada de criar uma rede de tráfico de influências com sua amiga Choi Soon-sil, conhecida como "Rasputina" pela forte relação de conselheira da ex-presidente, que supostamente ganhou milhões de dólares em propinas cobradas de grandes empresas.

Entre os envolvidos no escândalo também está o presidente de fato do grupo Samsung, Lee Jae-yong, que também foi preso de maneira preventiva.

Moon se comprometeu a criar empregos públicos, a fortalecer as pequenas e médias empresas e reduzir a enorme desigualdade em um país onde 10% dos trabalhadores têm metade do capital gerado, algo que revela a riqueza e poder dos "chaebol" (os grandes conglomerados controlados por clãs familiares).

A tarefa não será fácil, já que sua legenda, o Partido Democrático (PD), domina a Assembleia Nacional (Parlamento), mas sem maioria absoluta e deverá fazer pactos para aprovar suas propostas de reforma até 2020, data das próximas eleições legislativas.

O novo presidente também deverá decidir se concederá um indulto a Park Geun-hye caso seja condenada ou se provará seu compromisso com a luta contra a corrupção mantendo-a na prisão.

Moon, um ex-advogado de 64 anos defensor dos direitos civis, deverá enfrentar também a atual crise na península coreana devido ao contínuo teste de armas do regime de Pyongyang e a endurecida retórica do governo de Donald Trump em Washington.

Muitos acreditam que o novo presidente sul-coreano buscará um maior entendimento com Pyongyang após os dez anos de péssimas relações dos governos conservadores em Seul e que poderia ajudar a acalmar os ânimos americanos e tentar desempenhar um papel de maior peso na intermediação da atual crise.

"É improvável que haja qualquer mudança significativa de maneira imediata devido ao peso da ameaça nuclear norte-coreana", disse no entanto à Agência Efe o professor Kim Sung Chull, do Instituto de Estudos para a Paz e a Unificação da Universidade Nacional de Seul. EFE

asb/id

(foto) (vídeo)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos