Temer garante a Lilian Tintori que "Brasil está junto ao povo venezuelano"

Brasília, 11 mai (EFE).- O presidente Michel Temer recebeu nesta quinta-feira a opositora venezuelana Lilian Tintori, a quem lhe assegurou que "o Brasil está junto ao povo" desse país e em contato com outros governos para buscar uma solução à crise na Venezuela.

Segundo disse o porta-voz da presidência, Alexandre Parola, Temer "ressaltou a firme posição do Brasil em apoio à democracia e aos direitos humanos na Venezuela", e insistiu na necessidade de que sejam libertados os "presos políticos" que existem nesse país, entre os quais citou Leopoldo López, marido de Tintori.

Temer também "reforçou que é fundamental" que se garantam "as liberdades individuais, se respeite a independência dos poderes" e que "se defina e cumpra um calendário eleitoral".

Além disso, destacou que mantém contatos "regulares" com outros governos sobre a situação na Venezuela e afirmou a Tintori que hoje mesmo conversou sobre esse assunto com o governante argentino, Mauricio Macri, informou Parola.

Após a reunião, Tintori ressaltou que foi "a primeira vez em 18 anos", desde que o chavismo chegou ao poder, que um presidente brasileiro recebeu representantes da oposição venezuelana e atribuiu o fato ao caráter "democrático" de Temer.

"Ele nos expressou sua preocupação e sua solidariedade", declarou a dirigente opositora, que salientou que na América Latina se começa a consolidar "uma maioria de governos que concorda que as coisas na Venezuela têm que mudar e que isso tem que ser rápido".

Tintori voltou a qualificar o governo de Nicolás Maduro como "ditadura", disse que quem lhe apoia é "cúmplice de um assassino", e pediu apoio à comunidade internacional frente à "repressão" que sofrem os que a cada dia se manifestam nas ruas de seu país.

Esses protestos deixaram até agora pelo menos 39 mortos e centenas de feridos, apesar de seu caráter "pacífico", assegurou Tintori, que reiterou que em seu país "somente um dos lados está armado e exerce a violência".

Segundo Tintori, os venezuelanos que protestam "querem somente quatro coisas: eleições gerais este ano, que se abra um canal humanitário, principalmente para alimentos e remédios, respeito para a Assembleia Nacional e a liberdade dos presos políticos".

Durante sua visita a Brasília, Tintori também foi recebida no Senado e se reuniu com o presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia, que finaliza os detalhes de uma reunião parlamentar regional sobre a crise na Venezuela.

Essa reunião, segundo disseram à Agência Efe fontes parlamentares, está prevista para o próximo dia 23 em Brasília e até agora confirmaram sua presença representantes dos Congressos de dez países.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos