Macron se compromete com Merkel a realizar reformas para gerar empregos

Berlim, 15 mai (EFE).- O presidente da França, Emmanuel Macron, assegurou nesta segunda-feira que seu país precisa "implementar as reformas necessárias" para gerar empregos e se comprometeu perante a chanceler alemã, Angela Merkel, a trabalhar nessa direção.

"Precisamos ser mais eficazes", declarou Macron em uma coletiva de imprensa com a líder alemã ao término da reunião realizada em Berlim, para onde viajou um dia depois de assumir o cargo, conforme a prática habitual entre os governantes do eixo franco-alemão.

Macron admitiu que tem diante de si "uma tarefa muito difícil", uma vez que a França "é o único grande país da União Europeia (UE) que não conseguiu combater o problema do desemprego".

O novo chefe de Estado francês ressaltou ainda a necessidade de aplicar as reformas necessárias em escala europeia e afirmou que, no caminho para conseguir uma "maior eficiência", "não vai haver tabus".

Além disso, Macron destacou que sua vitória nas eleições foi possível porque conseguiu "transmitir entusiasmo" e salientou que sua obrigação agora é "responder a este entusiasmo" e demonstrar que "esta Europa funciona".

Merkel, por sua parte, agradeceu o presidente francês por ter escolhido Berlim para sua primeira visita ao exterior e declarou que isso é expressão do alto valor que ambos países "deram através da história à sua especial relação".

A dirigente alemã se referiu também à necessidade de continuar "um roteiro do caminho" para levar adiante projetos que, segundo advertiu, não poderão ser realizados "da noite para o dia".

Merkel avaliou positivamente várias das propostas de Macron, como a possibilidade de incluir um critério de reciprocidade nos acordos comerciais, de tal forma que se possa proteger os produtos europeus dos procedentes de terceiros países que não cumprem certos padrões.

A chanceler também recebeu positivamente a necessidade de melhorar a proteção comum para os investimentos e de avançar na integração da zona do euro, embora não tenha entrado em detalhes neste assunto, sobre o qual Berlim apresenta alguns receios.

"Nem sempre estamos de acordo", reconheceu Merkel sobre o funcionamento do eixo franco-alemão, mas se mostrou convencida que "da simbiose" das posturas de Berlim e Paris sempre sai "algo bom, não somente para os dois países, mas para toda a Europa".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos