Líderes militares aliados pedem que Otan entre em coalizão contra EI

Bruxelas, 17 mai (EFE).- Os líderes da área de Defesa da Otan se mostraram nesta quarta-feira a favor de que a organização faça parte da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos contra o autodenominado Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque, em relação ao debate que os aliados terão sobre o assunto no dia 25.

"A recomendação dos chefes de Defesa é que há méritos para que a Otan se converta em membro dessa coligação", disse o presidente do Comitê Militar da Otan, Petr Pavel, em uma entrevista coletiva ao término de uma sessão da mais alta autoridade militar da Aliança.

O general tcheco lembrou que os 28 países da Otan já fazem parte da força-tarefa contra o EI, e apontou que "agora a discussão tem como foco se a Otan deve se tornar membro dessa coalizão".

"A decisão dependerá da reunião dos chefes de Estado e de Governo" da Otan que acontecerá em 25 de maio em Bruxelas.

A aliança militar convocou essa cúpula para dar as boas-vindas ao novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e inaugurar a nova sede da organização.

Os principais assuntos que serão abordados são o compromisso adquirido pelos líderes aliados em sua cúpula de 2014 de aumentar os gastos com Defesa até chegar a 2% do PIB nacional até 2024 e o maior papel que a Otan pode ter na luta antiterrorista.

Os Estados Unidos manifestaram interesse nos dois assuntos, a fim de que a divisão da carga financeira na Otan seja mais equilibrada e por considerarem que a organização pode fazer mais para combater o Estado Islâmico, especialmente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos