Acordos firmados entre EUA e Arábia Saudita chegam a US$ 380 bilhões

Riad, 20 mai (EFE).- Os Estados Unidos e a Arábia Saudita firmaram neste sábado uma série de acordos em diversos setores por um valor total de US$ 380 bilhões para os próximos dez anos, anunciou o ministro das Relações Exteriores saudita, Adel al Yubeir.

Em uma entrevista coletiva realizada em Riad ao lado do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, depois da assinatura do acordo que inclui a venda de armamentos norte-americanos aos sauditas por US$ 110 bilhões, Al Yubeir afirmou que a nova parceria é "histórica" e "sem precedentes" para o país.

Al Yubeir destacou que a visita do presidente dos EUA, Donald Trump, à capital saudita representa um "ponto de inflexão" nas relações entre Washington, Riad e os demais países muçulmanos, antecipando a reunião de cúpula que será realizada amanhã entre Trump e líderes da região.

O chefe da diplomacia saudita não quis falar sobre a vitória do presidente do Irã, Hasan Rouhani, nas eleições de ontem e se limitou a afirmar que o pleito é uma questão interna de Teerã.

No entanto, Al Yubeir disse que foram tomadas decisões junto aos EUA para pôr fim às violações de direitos humanos no Irã.

Sobre a visita de Trump a Israel e à Palestina na segunda-feira, visita que pode reativar o processo de paz na região, o chanceler disse que o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdul Aziz, expressou otimismo sobre a capacidade do presidente dos EUA em obter a paz.

Já Tillerson disse que o valor dos acordos firmados hoje supera os US$ 350 bilhões e destacou que os EUA e a Arábia Saudita compartilham os mesmos interesses em questões de segurança.

"Essa cúpula enviou uma mensagem a todos sobre a força das relações entre os nossos países", disse o secretário de Estado.

A venda de armamentos norte-americanos aos sauditas, segundo Tillerson, tem como motivo "fazer frente às ameaças enfrentadas pela Arábia Saudita em suas fronteiras".

"Queremos reforçar a capacidade do reino para impor a segurança e lutar contra o terrorismo", disse Tillerson, que também citou o Irã durante seu discurso.

O secretário de Estado destacou que os esforços para dissuadir o Irã de intervir na Síria e no Iêmen foram redobrados. Além disso, Washington tenta convencer Teerã a interromper o financiamento de grupos terroristas na região.

Sobre a reeleição de Rouhani, Tillerson disse que apoia "o direito de ir e vir, e a liberdade de expressão dos iranianos".

Por fim, o secretário de Estado disse que a visita de Trump hoje "abre o caminho para a paz no Oriente Médio".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos