Vitória de Macron eleva status da Escola de Administração Nacional da França

Luis Miguel Pascual.

Paris, 22 mai (EFE).- Emmanuel Macron é o quarto dos oito presidentes da França eleitos após a Segunda Guerra Mundial que se formou na École Nationale d'Administration (ENA), o celeiro da elite do país para preparar futuros ocupantes de altos cargos dos ministérios e das principais empresas públicas.

O novo primeiro-ministro da França, o secretário-geral da presidência de Macron e vários outros integrantes do governo também passaram por esse "círculo" restrito, frequentemente criticado por estar muito afastado da França da "vida real".

Macron substitui François Holland, formado na mesma escola, e se torna o terceiro dos últimos quatro presidentes que passou pelas salas da ENA. Além deles, Jacques Chirac, que governou a França entre 1995 e 2007, também foi aluno da instituição.

Nicolas Sarzoky, presidente entre 2007 e 2012, é um ponto fora da curva nos últimos anos, assim como Valéry Giscard d'Estaing, o primeiro dos líderes formados na escola criada em 1945 pelo general Charles de Gaulle para formar funcionários públicos bem preparados.

Nem o próprio De Gaulle, seu sucessor, Georges Pompidou, nem posteriormente François Mitterrand puderam passar pelas salas da ENA porque já eram experientes quando a escola foi criada. Bem depois, Giscard foi aluno da instituição apesar de já ter estudo antes na Politécnica, o outro grande celeiro da administração francesa.

Juntas, elas formam a cada ano 500 trabalhadores preparados para integrar todos os órgãos do governo. Ainda que apenas 5% deles se dediquem à política, alguns costumam chegar ao topo do poder, fato que transforma a ENA e a Politécnica em centros do elitismo.

Laurent Fabius, o primeiro-ministro mais jovem da história da França, Dominique de Villepin, Ségolène Royal. As promoções da ENA - batizadas todas elas com o nome de alguém da política ou da cultura - estão cheias de figuras que alçaram voos altos, tanto na iniciativa pública como na privada.

A promoção Voltaire foi a referência nos anos de Hollande. Agora, com Macron, entra em voga a de Léopold Sédar Senghor, primeiro presidente do Senegal. Para além de Macron, faziam parte dessa geração alguns do membros do primeiro escalão do governo.

A ministra da Defesa, Sylvie Goulard, e o ministro da Economia, Bruno Le Maire, também são formados na ENA.

Os alunos são escolhidos por concurso e, durante o ano de formação, são remunerados. Em seguida, os estudantes são enviados para fazer estágios em diversos órgãos do governo.

Depois disso, muitos deles se tornam funcionários públicos e alguns chegam ao alto escalão. Os de mais sucesso pulam para a política, enquanto outros integram os conselhos de administração de empresas com participação estatal. Alguns decidem ir para a iniciativa privada e se tornam dirigentes das principais empresas.

A escola foi criada por De Gaulle, que desejava substituir o mais rápido possível toda o governo que tinha colaborado com os nazistas sob o regime de Vichy. Mas, com os anos, a ENA foi se tornando alvo de críticas. Muitos consideram a escola fechada em si mesma, pouco aberta às novidades e engessada.

Os críticos da ENA consideram difícil reformar um governo quando boa parte dos altos funcionários surgem do mesmo lugar e são treinados no mesmo molde.

A direção da ENA se defende. A escola, sim, forma os funcionários públicos, mas as decisões são tomadas pelos políticos. E, ainda que muitos dos alunos da instituição tenham chegado ao topo do poder, a direção garante que apenas uma pequena parte de seus alunos decide entrar no mundo da política.

A ENA sabe que tem marcada em si o estigma da burocratização. Nas campanhas eleitorais, a escola está acostumada a virar alvo de muitas das críticas. Na mais recente, que terminou com a vitória de Macron, o próprio Le Maire, que se formou na instituição, propôs fechá-la, defendendo uma proposta que tinha sido pelo ex-primeiro-ministro François Fillon.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos