Justiça inicia investigação contra ministro francês acusado de nepotismo

Paris, 1 jun (EFE).- A Promotoria de Brest, no noroeste da França, anunciou nesta quinta-feira que abriu uma investigação preliminar contra o ministro da Coesão Territorial francês, Richard Ferrand, por suspeitas de nepotismo.

O objetivo desta investigação "preliminar" é "reunir todos os elementos que permita uma análise completa dos fatos e olhar se são suscetíveis ou não constituir uma infração penal", disse a Promotoria, em um comunicado através de sua conta do Twitter.

Este procedimento judicial significa um revés para o presidente Emmanuel Macron, que chegou ao poder recentemente com a promessa de moralizar a política e que tem o desafio de conseguir uma maioria parlamentar suficiente para desenvolver o seu programa nas eleições legislativas dos dias 11 e 18 deste mês.

Inicialmente, os promotores resistiram iniciar este procedimento por considerar que não tinha provas suficientes.

Nas últimas horas, organizações não governamentais especializadas na luta contra a corrupção, como Anticor, comunicaram que formalizavam uma denúncia para forçar a investigação.

No centro deste assunto que persegue Ferrand e que questiona sua probidade, é que no final de 2010, quando ele era diretor-geral de Les Mutuelles de Bretagne, sua esposa alugou alguns imóveis na cidade de Brest.

O aspecto desta polêmica operação é que sua esposa comprou os imóveis com a condição que formalizasse esse aluguel, e com isso ela conseguiu obter um crédito bancário de 400 mil euros que correspondia a totalidade de seu investimento, ou seja que a sua contribuição e o risco financeiro que assumiu foram praticamente nulos.

A imprensa revelou, no dia 24 de maio, os detalhes dessa transação, mas também que a sua ex-mulher tinha sido contratada por Les Mutuelles de Bretagne, que Ferrand continuou cobrando desde quando saiu e se tornou deputado, nas listas do Partido Socialista, em uma circunscrição da Bretanha.

Macron, que hoje estava visitando a mesma região, não quis se pronunciar ao ser perguntado pelos jornalistas sobre este caso, que aparece como um problema politico cada vez mais claro no contexto das eleições legislativas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos