Delegação dos EUA condiciona ajuda ao Sudão do Sul ao fim da guerra

Juba, 2 jun (EFE).- Uma delegação de congressistas dos Estados Unidos comunicou ao Governo do Sudão do Sul que a continuidade das ajudas humanitárias ao país depende do fim do conflito armado, afirmou nesta sexta-feira o líder do grupo, Cristopher Smith.

O congressista condicionou as ajudas dos EUA ao Sudão do Sul à suspensão da guerra mediante verdadeiras negociações entre todas as partes.

"Não é lógico que paguemos dinheiro a um país que sofre com a guerra e a fome. Isto é inaceitável", disse Smith a jornalistas na embaixada americana em Juba, ao final de uma visita de três dias.

Desde o começo do conflito, o Governo dos EUA aprovou ajudas ao Sudão do Sul por um valor de cerca de US$ 1,9 bilhão, segundo dados da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

O Sudão do Sul vive uma guerra civil desde o final de 2013 entre o presidente, Salva Kiir, e a oposição armada liderada pelo ex-vice-presidente Riek Machar, que degenerou em um conflito de tinturas étnicas.

Na semana passada, Kiir anunciou um cessar-fogo unilateral, mas tanto a oposição como a ONU e várias potências expressaram suas dúvidas sobre as intenções do governante.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos