O difícil avanço da educação sexual no Vietnã

Eric San Juan.

Ho Chi Minh (Vietnã), 2 jun (EFE).- As reticências das autoridades comunistas e a falta de professores preparados freiam a expansão da educação sexual no Vietnã, considerada fundamental pelos especialistas para prevenir abusos e gravidezes indesejadas.

Na escola de ensino médio Truong To, nos arredores de Ho Chi Minh (antiga Saigon), meia centena de meninas de 14 anos debatem sobre os riscos da gravidez para adolescentes, comparam os sinais da puberdade nos meninos e meninas e refletem em voz alta sobre o que deve ser considerado abuso sexual.

"Uma vez estava conversando com alguém no Facebook e um menino compartilhou comigo uma foto íntima. Queria que eu enviasse uma minha, então deixei de falar com ele e de usar o Facebook", disse uma das meninas quando contava como frear os abusos sexuais.

Minutos depois, a professora instrui técnicas de defesa pessoal para repelir ataques e escapar de casos de agressão, e durante meia hora todos se passam por casais, revezando-se entre os papéis de vítima e agressor.

Cenas como estas são excepcionais no Vietnã, onde a educação sexual não faz parte do currículo obrigatório e no melhor dos casos está integrada dentro de novas disciplinas.

A sessão neste colégio é organizada pela ONG Alliance Anti Trafica (AAT), pioneira na educação sexual no Vietnã, que desde que iniciou o seu programa em 2008 (o primeiro deste tipo no país) contribuiu para a formação de 60 mil adolescentes e advoga pela obrigatoriedade da matéria antes de 2019.

"Com o sistema tradicional, estudam os órgãos reprodutores em aulas de biologia e na de educação cívica falam de relações amorosas e moralidade. Tratam o tema como se fosse em uma aula de história ou de matemática e nós queremos que eles participem e compartilhem experiências", disse Ngan Ta, responsável pelo projeto.

Ta explica que o programa avança muito devagar pela falta de recursos, a dificuldade de formar professores e as reticências de algumas autoridades, temerosas de que os menores tenham acesso a estes conhecimentos muitos cedo.

"Segundo um provérbio vietnamita, não há que ensinar ao cervo o caminho para que evitar que corra. O cervo representa a inocência, e algumas pessoas do governo acreditam que, se as crianças e adolescentes tivessem acesso a informações sobre sexo, o praticarão muito cedo", comentou Ta.

Apesar de esta mentalidade conservadora seguir vigente em alguns setores da sociedade vietnamita, a AAT tem encontrado uma resposta positiva dos pais, aliviados com a possibilidade de ser debatido no colégio um assunto que não sabem como abordar em casa.

A entidade dedica muitos recursos à preparação de docentes para dar estas aulas, com um estilo próximo e aberto muito diferente dos métodos habituais no sistema vietnamita.

Nas aulas falam às claras de métodos contraceptivos, gravidezes indesejadas e aborto, um problema que o Vietnã vive há anos, com a maior taxa da Ásia (2,5 abortos em média por cada mulher) e muitos casos entre adolescentes e mulheres jovens: 8,4% das mulheres de entre 15 e 24 anos sofreram pelo menos uma interrupção de gravidez, segundo estatísticas oficiais.

Ta também destaca a importância da educação para prevenir os abusos sexuais, um problema até pouco invisível que foi ganhando presença na sociedade por vários escândalos recentes.

Segundo o Ministério de Assuntos Sociais vietnamita, os casos de abusos sexuais a menores estão aumentando no Vietnã, com pelo menos 1,2 mil ao ano.

Os especialistas e algumas vozes do governo clamam por uma educação sexual desde cedo para romper com o tabu do sexo e evitar que as crianças se envergonhem caso sofram abusos.

"Falamos com os adolescentes sobre abuso sexual porque é a maneira de preveni-los. Eles têm que se habituar a falar destas coisas. Explicamos quais são os limites porque há pouca informação, a lei no Vietnã é vaga a respeito", ressaltou Ta.

"Muitas mulheres que acabam sendo exploradas sexualmente ou vendidas como esposas sofreram abusos. O conhecimento as torna menos vulneráveis", concluiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos