Ataque contra Al Raqqa será "golpe decisivo" ao EI, diz general dos EUA

Beirute, 6 jun (EFE).- A ofensiva contra a cidade de Al Raqqa, no nordeste da Síria, representará um "golpe decisivo" à ideia de "califado" do Estado Islâmico, indicou nesta terça-feira o comandante da coalizão internacional que combate os jihadistas, o general norte-americano Stephen Townsend.

"É difícil convencer novos recrutas de que o EI é uma causa vencedora quando o grupo perder suas duas 'capitais gêmeas', tanto na Síria como Iraque", disse Townsend em comunicado, em referência às cidades de Al Raqqa e Mossul, prestes a ser recuperada no Iraque.

A coalizão apoia as Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada por milícias curdas que começou hoje uma ofensiva contra Al Raqqa, considerada como a capital do califado autoproclamado pelos radicais em junho de 2014.

O general afirmou que aluta para recuperar a cidade síria será "longa e difícil", mas representará um duro golpe aos jihadistas.

"O Estado Islâmico ameaça todas as nossas nações, não só o Iraque e a Síria, mas também nossos países. Ele não pode ser tolerado", disse Townsend, citando os últimos ataques no Reino Unido.

No texto, o general disse que a FSD e a coalizão iniciaram as operações na província de Al Raqqa em novembro. Desde então, as tropas se aproximaram e fizeram um cerco ao redor da cidade.

Além disso, a nota destaca que a milícia curda pediu aos civis para deixarem a região para que não sejam sequestrados ou usados como escudos humanos pelos membros do Estado Islâmico.

A FSD afirmou que, após a conquista de Al Raqqa, um órgão representativo de civis da região ficará encarregado da segurança e do governo local.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos