Diretor de inteligência dos EUA evita confirmar pressão de Trump sobre Rússia

Washington, 7 jun (EFE).- O diretor de Inteligência Nacional dos Estados Unidos, Dan Coats, evitou confirmar nesta terça-feira uma pressão do presidente do país, Donald Trump, para minimizar as investigações sobre a ligação da Rússia com as eleições de 2016.

"No meu tempo no cargo, nunca senti pressão para intervir ou interferir de nenhuma maneira nas informações de inteligência com fins políticos", afirmou Coats em uma audiência no Comitê de Inteligência do Senado, que investiga se a Rússia interferiu no pleito do ano passado e coordenou ações com a campanha de Trump.

Coats evitou responder diretamente à matéria publicada ontem pelo jornal "The Washington Post", que afirmou que Trump pediu a Coats que convencesse o ex-diretor do FBI James Comey de abandonar a investigação contra Michael Flynn, ex-assessor de Segurança Nacional e uma das figuras-chave no escândalo com o Kremlin.

Coats, que assumiu o cargo de diretor de Inteligência Nacional no último dia 16 de março, considerou que não era "apropriado" falar sobre seus encontros com o presidente em uma audiência pública porque os diálogos envolvem informações confidenciais.

No entanto, Coats deixou aberta a possibilidade de testemunhar caso a sessão seja fechada.

Na audiência, o diretor da Agência de Segurança Nacional (NSA), Mike Rogers, também se negou a fazer comentários sobre suas conversas com Trump. O presidente também teria pedido a ele para influenciar nas investigações sobre o caso envolvendo a Rússia.

"Nos meus três anos e meio no cargo, nunca me ordenaram a fazer algo que considero ilegal, imoral ou ilegal", garantiu Rogers.

Segundo uma matéria do "Post" em maio, Trump pediu em reuniões separadas a Coats e Rogers que negassem publicamente haver provas sobre um conluio de sua campanha com a Rússia para interferir nas eleições presidenciais do ano passado.

Os dois se negaram a atender ao pedido do presidente, considerado por eles como inadequado, ainda de acordo com o jornal.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos