EI reivindica ataques ao Parlamento e mausoléu de aiatolá Khomeini no Irã

Cairo, 7 jun (EFE).- O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) reivindicou, nesta quarta-feira, através de sua agência "Amaq", o ataque ao Parlamento do Irã e o atentado suicida contra o mausoléu do aiatolá Ruhollah Khomeini, onde morreram pelo menos sete pessoas.

Os dois ataques foram realizados por "combatentes" do EI, disse o grupo jihadista, através da "Amaq", que entrevista "uma fonte de segurança" do EI.

Em um segundo comunicado, a agência afirmou que o atentado contra o mausoléu de Khomeini foi realizado por dois suicidas que levavam coletes com explosivos.

Pelo menos sete pessoas morreram hoje por disparos de homens armados que invadiram o Parlamento, no centro de Teerã, fazem vários reféns, segundo fontes parlamentares citadas pelas agências semioficiais "ILNA" e "Tasnim".

Duas horas depois do início do ataque, um dos terroristas que estava no Parlamento, detonou o explosivo que carregava, segundo a televisão estatal iraniana.

Pouco tempo depois, ocorreu um ataque semelhante, no pátio do mausoléu do aiatolá Khomeini, no sul da capital, onde uma pessoa foi morta e outras quatro ficaram feridas, segundo a "Tasnim".

Esses ataques são raros no Irã, cujas autoridades reforçaram as medidas de segurança em torno dos edifícios oficiais, como a sede da Presidência.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos