Líder republicano minimiza denúncias de Comey por Trump ser "novo" no cargo

Washington, 8 jun (EFE).- O presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o republicano Paul Ryan, minimizou a importância das denúncias feitas pelo ex-diretor do FBI James Comey contra o presidente do país, Donald Trump, por considerar que o empresário é "novo" no cargo.

Em uma entrevista coletiva, Ryan, responsável por aceitar um possível processo de impeachment contra Trump, reconheceu que o diretor do FBI deve ser "independente", mas indicou que o presidente é novo na política e não conhece o "protocolo de funcionamento".

Comey afirmou hoje em uma audiência no Comitê de Inteligência do Senado que Trump o pediu para "dispersar a nuvem" gerada pela investigação sobre a interferência da Rússia nas eleições de 2016.

"O presidente é novo no governo. Provavelmente não foi informado sobre os duradouros protocolos que estabelecem as relações entre o Departamento de Justiça, o FBI e a Casa Branca", disse Ryan.

"Não estou dizendo que seja uma desculpa aceitável. Só é uma observação minha", completou o líder republicano.

Durante o depoimento, Comey indicou que considera ter sido demitido do cargo de diretor do FBI pelo presidente pela forma como estava comandando a investigação sobre a ingerência eleitoral russa e devido à pressão do escândalo sobre Trump.

Além disso, Comey acusou Trump e o governo de "mentir" ao divulgar os motivos da demissão. Inicialmente, a Casa Branca alegou que o ex-diretor do FBI tinha perdido a confiança de seus subordinados.

A audiência do ex-chefe do FBI gerou enorme expectativa porque pode estabelecer as bases para um possível processo de impeachment contra Trump.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos