EUA pedem a aliados para suavizar bloqueio e diminuir tensões com o Catar

Washington, 9 jun (EFE).- O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, pediu nesta sexta-feira ao Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Bahrein que suavizem o bloqueio terrestre, marítimo e aéreo imposto contra o Catar, ao alertar que as medidas têm consequências humanitárias e atrapalham a luta contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na região.

Em uma declaração à imprensa, Tillerson também pediu às partes envolvidas na disputa diplomática a tomar medidas "imediatas" para diminuir as tensões e exigiu que o Catar atue "mais rapidamente" para cortar seus laços com o terrorismo e o extremismo.

"Pedimos ao reino da Arábia Saudita, aos Emirados Árabes Unidos, ao Bahrein e ao Egito para suavizar o bloqueio contra o Catar", afirmou Tillerson no discurso feito no Departamento de Estado.

"Há consequências humanitárias deste bloqueio. Estamos vendo escassez de alimentos, há famílias separadas à força e seus filhos abandonando a escola. Acreditamos que essas são consequências involuntárias, especialmente durante o mês sagrado do Ramadã, mas elas podem ser encerradas imediatamente", ressaltou.

Tillerson também alertou que o bloqueio está afetando os negócios de empresas americanas e de outros países na região, prejudicando a população que depende da prestação desses serviços.

"O bloqueio está dificultando as ações militares americanas na região e a campanha contra o EI", explicou.

O discurso do secretário de Estado ocorreu depois de o ministro de Relações Exteriores do Catar, Mohammed bin Abdulrahman al Zani, ter denunciado o bloqueio e afirmado que ele "pune" a população local e só pode ter "consequências negativas" para a região.

O chefe da diplomacia dos EUA pediu que as partes mantenham um diálogo "calmo e sensato" e para que não haja mais escalada na violência.

"Nossa expectativa é que esses países darão passos imediatos para diminuir as tensões e promover um esforço de boa fé para resolver as queixas que têm entre si", destacou o secretário de Estado.

Tillerson afirmou que, com base nos contatos que realizou nesta semana com os líderes da região, está claro que os elementos para uma solução estão disponíveis e afirmou que os EUA apoiarão os esforços de mediação ao lado do Kuwait.

"Os países da região são mais fortes quando estão unidos. Espero que possam ser feitos avanços para eliminar todas as formas de apoio ao terrorismo: militar, financeiro, moral e ideológico", afirmou.

"Pedimos que o Catar responda às preocupações dos seus vizinhos. O emir do Catar fez avanços ao deter o apoio financeiro ao terrorismo e expulsar do país elementos terroristas, mas deve fazer mais e fazê-lo rapidamente", destacou Tillerson.

"Outros também devem continuar eliminando as facções de apoio às organizações violentas dentro de suas próprias fronteiras", completou.

Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Bahrein cortaram nesta semana as relações diplomáticas com o Catar, acusando o pequeno emirado de apoiar grupos radicais na região. O Kuwait tenta mediar uma solução para a disputa, até agora sem sucesso.

O presidente dos EUA, Donald Trump, propôs na quarta-feira uma reunião na Casa Branca com as partes envolvidas. O objetivo, segundo o republicano, é ajudar os países a "resolver suas diferenças".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos