Opositor russo Navalny é detido antes de se dirigir a protesto em Moscou

Moscou, 12 jun (EFE).- O opositor Alexei Navalny, organizador das manifestações contra a corrupção convocadas para esta segunda-feira em toda a Rússia, foi detido na porta de sua casa em Moscou antes de se dirigir à manifestação em Moscou, segundo sua esposa.

"Saudações. Sou Yulia Navalnaya. Felicidades a todos pela festa (Dia da Rússia). Alexei foi detido na porta de casa. Ele pediu que eu comunicasse a vocês que os planos não mudam: Tverskaya", escreveu a esposa de Navalny no Twitter.

O líder opositor mudou ontem à noite o local do protesto em Moscou da região onde o mesmo havia sido autorizado pela Câmara Municipal para a rua Tverskaya, no centro da capital, onde hoje acontecem as comemorações pelo Dia da Rússia, o que foi classificado pelas autoridades como uma "provocação".

"A manifestação segue adiante e será pacífica", disse à Agência Efe um responsável da equipe de Navalny na praça Pushkin, onde começa, para o Kremlin, a rua Tverskaya.

Navalny surpreendeu ontem à noite ao fazer uma convocação por vídeo a seus partidários solicitando sua presença na rua Tverskaya, ao invés do local autorizado anteriormente pela Câmara Municipal, alegando que não tinha conseguido contratar nenhuma empresa para montar o palco e os equipamentos de som para um comício.

A convocação foi considerada uma "provocação" pelas autoridades, pois nesta rua acontecem hoje as comemorações populares pelo Dia da Rússia.

"A detenção de Navalny é um reflexo de que (o presidente russo) Vladimir Putin não quer que nenhum candidato que não seja do sistema concorra nas eleições de 2018", acrescentou o responsável da equipe do líder opositor, que tem a intenção de concorrer à presidência.

Centenas de policiais estão posicionados próximos da praça Pushkin, onde também é possível ver dezenas de veículos policiais.

A promotoria de Moscou advertiu que "qualquer tentativa de realizar um ato não autorizado na rua Tverskaya será considerado ilegal e as forças da ordem terão que tomar as medidas necessárias".

Vladimir Chernikov, chefe do departamento de polícia de Moscou, disse que os agentes vão agir contra qualquer tentativa de alterar a ordem e a lei e que deterão todos que portarem "cartazes e slogans".

Navalny convocou para hoje uma jornada de protestos em massa contra a corrupção na administração pública em 212 cidades do país. EFE

vh-io/rpr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos